Actividades agrícolas com as oliveiras, nos olivais

A oliveira é uma árvore da família oleáceas da oliveira, característica do clima Mediterrâneo, muito habituada ao calor e a chuvas episódicas. Os seus frutos são as azeitonas, das quais se retira o azeite.

A oliveira é uma planta de folha persistente, o que significa que nunca perde totalmente a sua folha; em vez disso, as folhas mais velhas vão caindo ao longo do ano.

A oliveira não gosta de muita água, e suporta bem a falta dela, tal como não aprecia o frio exagerado, embora o suporte bem, aproveitando esse tempo para descansar e recuperar da energia despendida no ano anterior,

Esta árvore costuma ter pouca altura e tronco retorcido, e é originária da parte oriental do mar Mediterrâneo, bem como do norte do atual Irão.

Janeiro

Concluída a colheita, faça a lavoura ou escarificação a 0,20m-0,30m.

Plante oliveiras nas covas previamente preparadas.

A partir de meados do mês, comece a poda e aproveite os melhores ramos para instalar viveiros de estancaria.

Fevereiro

Concluída a colheita das azeitonas, proceda à mobilização do solo, à profundidade de 0,20 a 0,30m, com lavoura ou escarificação razoável para que fique em condições óptimas de armazenar a água da chuva.

Continue com a poda; limpe troncos e pernadas de musgos e líquenes, aplicando-lhes uma calda ferro-cálcica.

Instalação de viveiros.

Março

Quando se procede à plantação de um olival não se perderá de vista que, pelo menos nos três anos seguintes à plantação, as pequenas oliveiras precisam de ser regadas durante o Verão, única maneira de conseguir boa percentagem de pegamentos.

Faça uma escarificação ou uma gradagem com grade de disco e incorpore, nessa altura um adubo azotado (35 a 80 unidades fertilizantes).

Abril

Se ainda não a fez, realize a mobilização do solo indicada em Março.

Terminam no corrente mês as plantações de oliveiras, mas só nos lugares frescos, devendo regá-las no Verão, designadamente nos três primeiros anos.

Efectue enxertias com borbulhas

Maio

Após o vingamento do fruto, enterre da erva com uma grade ou escarificador para evitar, o mais possível, a destruição do raizame fino por onde se dá a absorção dos líquidos que vão alimentar as plantas.

Elimine os rebentos denominados “ladrões”, para evitar desequilíbrios no desenvolvimento das oliveiras.

Junho

Regue as oliveiras para conserva e esteja atento aos ataques da mosca e traça.

Julho

Para conveniente pegamento das oliveiras, regue-as durante três anos após a plantação. A primeira rega deve ser abundante. Se possível, regue as oliveiras destinadas à produção de azeitona de conserva.

Prossiga o combate à mosca da azeitona e à traça, se necessário.

Agosto

Regue as oliveiras plantadas nos últimos três anos e a destinadas à azeitona de conserva.

Combata a mosca da azeitona.

Setembro

Proceda a uma escarificação no caso de haver excesso de ervas daninhas.

Combata a gafa dos frutos, e se necessário a mosca da azeitona.

Outubro

Inicie a abertura de covas para as próximas plantações, que se iniciam logo que passam os maiores frios. Nas regiões secas e de temperaturas elevadas no estio convém, no entanto, antecipar um pouco as plantações.

Apanhe a azeitona que for caindo e já esteja arruçada ou preta, e até mesmo verde que pode ser aproveitada para conserva.

Combata a gafa da azeitona, se necessário.

Novembro

Continue a colheita da azeitona para conserva e extracção do azeite.

Se aparecer a mosca, antecipe a colheita e não se esqueça de observar o intervalo de segurança, se tiver efectuado quaisquer tratamentos.

Dezembro

Prossiga a apanha da azeitona.

O varejamento das oliveiras é muito prejudicial ao arvoredo, mesmo quando se executa com os devidos cuidados. Enquanto não tiver melhor sistema, não deve varejar de fora para dentro, mas de dentro para fora.

Logo que concluída a colheita, lavre a 0,20-0,25 metros e incorpore os fertilizantes e correctivos, de preferência localizados.