Calendário litúrgico para o ano 2018

Calendário litúrgico 2018: para os fiéis da Igreja Católica Apostólica Romana, as celebrações litúrgicas, particularmente a celebração da Eucaristia Dominical, são encontros de Deus com o seu Povo, reunido em assembleia por Ele convocada. Nestas celebrações, os cristãos celebram a sua fé em Deus, Uno-Trino, revelado aos homens por Jesus Cristo, o Filho de Deus e a segunda Pessoa da Santíssima Trindade.

No ano de 2018, vão realizar-se as seguintes celebrações litúrgicas:

 

Celebrações com data fixa (Festas e Solenidades)

Santa Maria, Mãe de Deus – 1 de Janeiro

S. José, Esposo da Virgem Santa Maria – 19 de Março

Assunção da Virgem Santa Maria – 15 de Agosto

Natividade da Virgem Santa Maria – 8 de Setembro

Todos os Santos – 1 de Novembro

Comemoração de Todos os Fiéis Defuntos – 2 de Novembro

Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria – 8 de Dezembro

 

Celebrações com data móvel

Epifania do Senhor – 7 de Janeiro

A Epifania do Senhor é uma festa religiosa cristã que comemora a manifestação de Jesus Cristo como Deus encarnado.

Baptismo do Senhor – 8 de Janeiro

O baptismo de Jesus, pelo seu primo João Baptista, marca o início do ministério público de Jesus.

Quarta-feira de Cinzas – 14 de Fevereiro

Quarenta dias antes da Páscoa, a Igreja abre solenemente o tempo de penitência, chamado Quaresma, em preparação para a celebração da Páscoa. É a Quarta-feira de Cinzas. Neste dia, após a Liturgia da Palavra, em que se proclama o texto do Evangelho em que Cristo recomenda a oração, o jejum e a esmola como exercícios de conversão (cf. Mt 6,1-18), realiza-se o rito da imposição das cinzas. Elas são sinal de penitência, no sentido de conversão.

Domingo de Páscoa da Ressurreição do Senhor – 1 de Abril

Ascensão do Senhor – 13 de Maio

Quarenta dias depois da Páscoa, a Igreja celebra a Ascensão do Senhor. Na realidade, o que se celebra neste dia é bem mais do que uma aparição na qual Jesus é elevado ao céu. É toda a realidade da sua glorificação que celebramos, aquilo que os primeiros cristãos chamaram de “estar sentado à direita do Pai”.

Domingo de Pentecostes – 20 de Maio

Os cinquenta dias sagrados do Tempo Pascal concluem-se com o Domingo de Pentecostes, em que se comemora o dom do Espírito Santo aos Apóstolos, nos primórdios da Igreja, e o início da sua missão junto de todas as línguas, povos e nações.

Convém celebrar na vigília deste dia uma Missa mais longa, utilizando as leituras e orações propostas nos livros litúrgicos. Todavia esta Missa não tem carácter baptismal como a da Vigília Pascal, mas de oração mais intensa, a exemplo dos Apóstolos e dos discípulos que perseveravam com Maria, Mãe de Jesus, unânimes em oração, esperando a vinda do Espírito Santo.

Santíssima Trindade – 27 de Maio

«O mistério da Santíssima Trindade é o mistério central da fé e da vida cristã. Só Deus no-lo pode dar a conhecer, revelando-se como Pai, Filho e Espírito Santo.» (CIC)

Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo – 31 de Maio

A Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo é vulgarmente conhecida por Festa do Corpo de Deus. Celebra-se, normalmente, 60 dias depois da Páscoa, na quinta-feira a seguir ao primeiro domingo depois do Pentecostes.     

A festa do Corpo e Sangue de Cristo celebra-se normalmente numa quinta-feira para fazer referência à Quinta-feira Santa, dia da instituição da Eucaristia, dia da entrega de Cristo à humanidade num gesto de Amor infinito.

Foi no   século XIII que  se sentiu fortemente a necessidade de ressaltar esta festa, devido à importância da presença de Cristo em forma de pão e  de vinho, forma tão humana, mas ao mesmo  tempo tão rica  de simbolismo.  Foi o Papa Urbano IV quem instituiu a comemoração da festa de Corpus Christi, no ano 1264.              

Sagrado Coração de Jesus – 8 de Junho

Sagrado Coração de Jesus é uma das três solenidades do Tempo Comum, dentro da Liturgia da Igreja Católica, comemorada na segunda Sexta-feira, após a solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo. Esta devoção também é cultivada pela Igreja Católica ao longo de todas as primeiras Sextas-feiras de cada mês. Consiste na veneração do Coração de Jesus, do mais íntimo de Seu Amor.

Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo – 25 de Novembro

A “Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo”, no termo do Ano Litúrgico, constitui um momento forte de contemplação e de glorificação da Pessoa de Jesus, no seu mistério e missão.

Celebrar a Solenidade de Cristo-Rei é celebrar a missão de Cristo, o seu projecto, a sua obra; é consciencializar a parte que todos temos nela e as implicações dela na nossa vida, avivando a fé e a alegria de nos sentirmos chamados e enviados para o mundo, para a sociedade de hoje, a semear e implantar os valores do Reino de Deus.

Domingo I do Advento – 2 de Dezembro

O Tempo do Advento tem dupla característica: é tempo de preparação para a solenidade do Natal, em que se comemora a primeira vinda do Filho de Deus aos homens; simultaneamente, é tempo em que, comemorando esta primeira vinda, o nosso espírito se dirige para a expectativa da segunda vinda de Cristo no fim dos tempos. Por estes dois motivos, o Advento apresenta-se-nos como um tempo de piedosa e alegre expectativa (CR 39: EDREL 877).

Sagrada Família de Jesus, Maria e José – 30 de Dezembro

 

Outras celebrações

Santíssimo Nome de Jesus – 3 de Janeiro

Apresentação do Senhor – 2 de Fevereiro

Domingo de Ramos na Paixão do Senhor – 25 de março

Anunciação do Senhor – 9 de Abril

Imaculado Coração de Maria – 9 de Junho

Santo António de Lisboa – 13 de Junho

Nascimento de S. João Baptista – 24 de Junho

S. Pedro e S. Paulo – 29 de Junho

Transfiguração do Senhor – 6 de Agosto

Exaltação da Santa Cruz – 14 de Setembro

S. Francisco de Assis – 4 de Outubro

Apresentação de Nossa Senhora – 21 de Novembro

Santos Inocentes – 28 de Dezembro

 

Na Solenidade da Epifania do Senhor, depois da leitura do Evangelho ou após a oração depois da comunhão, o diácono ou o sacerdote ou mesmo um cantor, pode fazer o anúncio destas celebrações móveis (cf. Missal Romano, p.1381):

Irmãos caríssimos,

A glória do Senhor manifestou-se

e manifestar-se-á sempre no meio de nós,

até à sua vinda no fim dos tempos.

Nos ritmos e nas vicissitudes do tempo

Recordamos e vivemos os mistérios da salvação.

O centro de todo o ano litúrgico

é o Tríduo do Senhor crucificado, sepultado e ressuscitado,

que culminará no Domingo da Páscoa, este ano a 1 de Abril.

Em cada domingo, Páscoa semanal,

A santa Igreja torna presente este grande acontecimento,

no qual Jesus Cristo venceu o pecado e a morte.

Da Páscoa derivam todos os dias santos:

as Cinzas, início da Quaresma, a 14 de Fevereiro;

a Ascensão do Senhor, a 13 de Maio;

o Pentecostes, a 20 de Maio;

o primeiro Domingo do Advento, a 2 de Dezembro.

Também nas festas da Santa Mãe de Deus,

dos Apóstolos, dos Santos

e na Comemoração dos Fiéis Defuntos,

a Igreja peregrina sobre a terra

proclama a Páscoa do Senhor.

A Cristo, que era, que é e que há-de vir,

Senhor do tempo e da história,

louvor e glória pelos séculos do séculos.

R.Amen.

Fontes: Directório Litúrgico 2018 (Secretariado Nacional de Liturgia). Os textos das breves explicações sobre algumas das celebrações foram retirados da internet, e, eventualmente, adaptados.