Comemoração do Dia Nacional do Folclore Português

Comemoração oficial do DIA NACIONAL DO FOLCLORE PORTUGUÊS

29 de maio de 2016

Parque Maria Adelaide – Arcozelo – Vila Nova de Gaia

No próximo dia 29 de maio de 2016 vai ser comemorado, oficialmente pela primeira vez, o Dia Nacional do Folclore Português, na sequência da deliberação da Assembleia da República de 22 de julho de 2015, conforme iniciativa dos Grupos Parlamentares do PSD e do CDS, a pedido da Federação do Folclore Português.

A propósito, transcreve-se o documento apresentado pelos referidos grupos parlamentares:

Projecto de Resolução n.º 1531/XII/4.ª

INSTITUIÇÃO DO DIA NACIONAL DO FOLCLORE PORTUGUÊS

Exposição de motivos

O saber do povo português está, em grande parte, guardado no folclore. É, aliás, essa mesma a raiz da palavra ‘folclore’, que liga dois termos ingleses – ‘folk’ e ‘lore’ – que significam, respectivamente, ‘povo’ e ‘saber’. Ou seja, enquanto expressão do saber tradicional de um povo, o folclore tem um valor inestimável de identidade nacional e deve, como tal, ser preservado.

O folclore representa conhecimento transformado em cultura de origem popular, constituída pelos costumes, lendas e tradições, e celebrada em festas populares, que passam de geração em geração. Tradicional, porque passa de pais para filhos; oral, porque acessível a todos; anónimo, porque não tem autor mas é de todos; funcional, porque aproxima a comunidade e fortalece os laços entre os seus membros; espontâneo, porque é culturalmente dinâmico e não pode ser institucionalizado. Por todas estas características, o folclore é, de certo modo, o veículo através do qual a herança dos nossos antepassados chega até nós.

Assim sendo, assinalar a sua importância não se limita a apreciar o folclore enquanto género cultural, mas sobretudo a celebrar o que nos define como portugueses.

De facto, todos os povos têm as suas tradições e as suas crenças, e estas fazem parte do seu ADN e da sua História. Portugal não é excepção, contando com várias associações que, nas suas comunidades, mantêm o folclore vivo. De acordo com a Federação do Folclore Português, o movimento folclórico no território nacional engloba 1875 associações culturais – 534 no Norte, 306 no Douro/Vouga, 416 na região Centro, 306 na região Sul, 219 nas Beiras e 94 nas Ilhas. Considera-se, pois, que estas associações envolvem directamente mais de 150 mil portugueses e, indirectamente (incluindo associados), mais de 800 mil cidadãos.

Num momento em que a cultura portuguesa de origem popular se tem afirmado internacionalmente, como aconteceu com o reconhecimento, por parte da UNESCO, do Cante Alentejano como Património Cultural e Imaterial da Humanidade, e após várias iniciativas do actual Governo no sentido da valorização do nosso património popular, como a instituição do Dia Nacional das Bandas Filarmónicas (reconhecendo o trabalho que desenvolvem em favor da sociedade e da cultura), os Deputados do Grupo Parlamentar do PSD e do CDS-PP apresentam este projecto de resolução no sentido de dar igual distinção ao folclore português, instituindo um Dia Nacional para a sua celebração.

Assim, a Assembleia da República resolve, nos termos do nº 5 do artigo 166º da Constituição da República Portuguesa:

Instituir o último Domingo do mês de Maio como dia nacional do folclore português.

Palácio de São Bento, 12 de Junho de 2015

Com esta comemoração, pretende-se percorrer mais uma etapa, propondo a todos os folcloristas um olhar atento, consciente e apaixonado sobre a IDENTIDADE do POVO PORTUGUÊS, conhecer, compreender e respeitar a diversidade das expressões culturais que constituem a herança Patrimonial Cultural Imaterial e Material do nosso Portugal, que desejamos preservar e salvaguardar, permitindo às novas gerações encontrar no presente, orgulho no passado e o desejo de lançar sementes novas, que produzam frutos para o futuro, de valorização e credibilização do Folclore Português.

Alicerçar o Futuro depende de todos que se deixaram apaixonar pelas suas terras, gentes e tradições.

Programa das comemorações – 29 de Maio de 2016

10h00 – Salva de 39 morteiros

– Hasteamento das Bandeiras

– Arruada e Animação com Grupos de Bombos, gaiteiros e outros

12h00 – Almoço partilhado com os Grupos que trouxerem farnel

13h00 – Animação continua no Palco

– Danças

– Demonstrações Etnográficas

– Cantares de Trabalho ou outro

16h30 – Sessão Solene Comemorativa, com a presença de diversas entidades convidadas, e durante a qual será feira a entrega de medalha Comemorativa e Diploma aos Grupos que participarem;

No final da Sessão Solene, continuará a animação até ao pôr-do-sol