Confraria dos Enchidos – VIII Capítulo de Entronização

 

A mui nobre Confraria Gastronómica dos Enchidos vai realizar o seu VIII Capítulo de Entronização, no próximo dia 11 de Maio de 2019, em Grândola, de acordo com o seguinte

Programa para o VIII Capitulo da Confraria dos Enchidos

10h00 – Recepção e visita à fábrica de enchidos – Fábrica Quinta do Azinhal – ZONA INDUSTRIAL LIGEIRA, 5 7570-274 GRÂNDOLA

11h00 – Cerimónia de Entronização de novos Confrades, no Cine Teatro Av. António Inácio da Cruz 8

12h00 – Cortejo das confrarias pelas ruas de Grândola

13h00 – Almoço

Entradas
Pão e Broa
Queijos Alentejanos
Enchidos Alentejanos
Azeitonas temperadas
Saladas Frias

Sopa Caramela

Pratos Principais
Bacalhau com Broa em cama de espinafres
Cachaço de porco com farinheira

Sobremesas
Buffet de doces e fruta 

Bebidas
Água, Sumos
Vinhos Branco e Tinto
Café

15h00 – Animação, com a participação do Grupo de Dança Típica da Queimada e do Grupo Coral Vila Morena – Associação Cultural de Cante Alentejano

16h30 – Entrega de lembranças as confrarias presentes e Encerramento

 

Este Capítulo terá um custo de 20 euros, sendo que uma parte reverte a favor de uma IPSS local.

Devido a inúmeras inscrições fantasmas, só serão aceites inscrições com comprovativo do pagamento até dia 1 de Maio para o seguinte NIB: 0007.0000.00352958169.23

Informamos ainda que não haverá devoluções do valor das inscrições.

Iremos ter um autocarro que será Lisboa – Grândola – Lisboa. Para primeiras 45 inscrições (pagas).

Este capítulo irá contar com uma parceria com a Confraria dos Saberes e Sabores do Lousal

Inscrições abertas até 1 de Maio de 2019.

 

Breve história do Enchido

O termo enchido, compreende uma categoria de alimentos que nascem com o encher tripas de animais devidamente limpas ou sintéticas (principalmente no caso de versões vegetarianas) com diversos tipos de recheio.

O produto desta operação pode opcionalmente ser defumado antes de ser consumido. Muitos dos enchidos portugueses são confecionados com carne, gordura, entranhas, condimentos e temperos.

Após uma lavagem cuidada, a parte inferior das tripas é atada, para que possam ser enchidas pela parte superior.

O tempero da carne é realizado no mesmo dia, para que se possam encher as tripas no dia seguinte ou ainda no próprio dia.

A origem dos fumados está localizada no tempo em que o homem sentiu necessidade de conservar a carne por longos períodos de tempo. Descobriu dessa forma dois métodos, a salga e a defumação.

Assim a salga era aplicada à carne de porco e à carne de vaca e a defumação aplicada à carne de porco e às aves. Gregos e Romanos, depois de descobrirem a técnica de defumação passaram igualmente a fazê-lo mesmo depois de a salgarem.

Os aperfeiçoamentos desta técnica levaram inclusive a defumar os alimentos com diferentes tipos de lenha, pois descobriram que esta modificava o sabor dos alimentos tornando-os, em alguns casos, ainda mais saborosos.

Existem ainda registos que atribuem a origem dos enchidos e fumados ao período primitivo quando os intestinos dos animais eram enchidos com carne moída. Pode igualmente encontrar-se ainda uma referência na Odisseia de Homero, em 99 a.C., a um enchido com sangue e gordura revestido de tripa de cabra.

A defumação é um método de cozimento lento pela presença indireta de fogo. Pode ser feito utilizando um defumador, que é um aparelho especialmente desenhado para esta situação. Uma churrasqueira com tampa também pode ser utilizada, colocando uma assadeira com água abaixo da carne posta na grelha.

O processo de defumação de alimentos pode ser feito a quente, para carnes como de suíno, de bovino, de peixe e de ave, com utilização de fogo e fumo. Pode-se, ainda, defumar queijos em processo a frio, apenas com a aplicação de fumo. Existem dois tipos de defumação: a quente (75º C) e a fria (30º a 50º C).

As peças devem ser penduradas no defumador, mantendo-se uma certa distância entre elas, bem como da parede, a fim de garantir a circulação da fumaça e do calor. A produção de fumaça é feita normalmente com serragem de eucalipto, que é um produto mais fácil de ser encontrado no mercado. De modo geral, madeiras nobres como peroba, cedro e pau-marfim também podem ser utilizadas no processo de defumação. A serragem de pinheiro não é indicada por causa da possibilidade de apresentar resina.

O fumo tem um efeito conservante que, associado ao calor, resulta na redução da unidade, essencial no controle do desenvolvimento de microrganismos. Muitos componentes do fumo têm efeito bactericida e desinfetante. Ainda há no fumo o efeito dos fenóis que, por ser antioxidante, inibem a oxidação das gorduras e evitam o sabor de ranço.

A matéria-prima para fabricar enchidos defumados deve ser proveniente de animais saudáveis, descansados no pré-abate e abatido em local limpo e higiénico, ou seja, a peça para defumação deve ser adquirida em locais que vendam carne inspecionada e que esse produto seja manipulado de forma adequada.

Fonte