Cronologia essencial – os grandes marcos da Arqueologia

A Arqueologia é a ciência que estuda as culturas e os modos de vida do passado a partir da análise de vestígios materiais, isto é, uma ciência social que estuda as sociedades já extintas, através dos respectivos restos materiais.

1709 – Descoberta da cidade romana de Herculano (Itália)

1748 – Descoberta da cidade romana de Pompeia, que seria estudada por Winckelmann, o «pai da arqueologia» (Itália)

As cidades de Herculano e Pompeia, na Baía de Nápoles, foram enterradas em cinza e outros materiais vulcânicos, após as erupções do Monte Vesúvio, na tarde do dia 24 de agosto de 79 d.C. O relato da explosão do vulcão passou para a história graças a Plínio, o Jovem, que perdeu seu tio, Plínio, o Velho vítima dos vapores vulcânicos, enquanto comandava uma operação de socorro. Saber mais.

1765 – Niebuhr identifica as ruínas de Persépolis, residência de Dario e Xerxes (Irão)

1790 – Descobre-se a Pedra do Sol (O Calendário Asteca) na Praça da Constituição do México (México)

1799 – Um membro da expedição de Napoleão do Egipto descobre a “Pedra de Roseta”, que permitirá a Champollion decifrar a escrita hieroglífica egípcia em 1822 (Egipto)

1818 – Belzoni entra na pirâmide de Quéfren e penetra até à sua câmara mortuária (Gizé, Egipto)

1834 – Texier descobre as ruínas de Hattusa, capital do império hitita (Bogazkoy, Turquia)

1837 – Rawlinson copia a inscrição trilingue do alcantilado de Behistum, com o que completará a decifração da escrita cuneiforme (Irão)

1839 – Stephens descobre a cidade maia de Copan (Honduras)

1843 – Botta encontra Nínive, capital da Assíria, onde uns anos mais tarde se descobrirá a biblioteca de Assurbanipal (Iraque)

1845 – Layard explora as ruínas assírias de Nimrud (Iraque)

1853 – Uma seca deixa a descoberto várias aldeias lacustres que datam de há pelo menos 5.000 anos (Suíça)

1860 – Henri Mouhot descobre as ruínas de Angkor Thom (Camboja)

1870 – Schliemann inicia a escavação de Tróia (Hissarlik, Turquia)

1876 – Schliemann começa a escavar Micenas (Grécia)

1879 – Sautuola descobre a «sala das pinturas» de Altamira (Espanha)

1884 – Schliemann inicia a escavação da fortaleza micénica de Tirinte (Grécia)

1885 – Thompson chega à península do Yucatan, onde descobre as ruínas de Chichen Itza, centro do novo império Maia (México)

1888 – Brugsch-Bey encontra em Deir-el-Bahari quarenta múmias, entre as quais as de Séti I, Amósis I, Tutmósis III e Ramsés II (Egipto)

1889 – Petrie, que inicia as escavações rigorosas no Egipto, penetra na pirâmide de Amenemhet III (Egipto)

1899 – Koldewey descobre e começa a escavar as ruínas da Babilónia, cidade dos jardins suspensos (Iraque)

1900 – Evans começa a escavação de Cnossos, que o levará à descoberta da cultura minoica (Creta)

1911 – Bingham descobre a cidade inca de Machu Picchu (Peru)

1922 – Lord Carnarvon e Howard Carter penetram no túmulo de Tutancámon, primeiro túmulo faraónico descoberto intacto (Egipto)

1923 – Escavações de Mohenjo-Daro, uma das grandes cidades da civilização do rio Indo (Paquistão)

1926 – Leonard Woolley descobre os «túmulos reais» de Ur, com numerosos objectos de ouro, prata e lápis-lazúli (Iraque)

1940 – Crianças descobrem a Gruta de Lascaux (França)

1946 – Descoberta em Bonampak de um pequeno edifício que conserva o principal conjunto de pinturas murais maias (Bonampak, México)

1947 – Um pastor árabe descobre o primeiro grupo dos «manuscritos do mar Morto», numa gruta perto de Jerico (Israel)

1952 – Escavações de Kathleen Kenyon, em Jericó, a cidade mais antiga que se conhece (Israel)

1955 – Carlo Lerici começa a estudar – com a sonda fotográfica e outros meios técnicos refinados – os túmulos etruscos. Desde então tem-se explorado fotograficamente milhares de túmulos (Itália)

 

Fonte: Alfa Estudante – Enciclopédia Juvenil (vol I) – texto adaptado e acrescentado