Feiras Medievais e Recriações históricas em 2018

Ao logo do ano, vão-se realizando em diversas localidades, de Norte a Sul do País, Feiras Medievais ou Mercados Medievais e Recriações Históricas, assim como outras iniciativas do género, nas quais se tenta recriar épocas, vivências, factos e/ou personagens da História de Portugal, de modo muito particular os localizados temporalmente na Idade Média, na época dos Descobrimentos, etc.. Nessas iniciativas também se tentam retratar as artes e ofícios das populações de cada tempo e lugar, permitindo apreciar tradições recriadas, com maior ou menor precisão, de uma forma muito visual e atrativa.

As Feiras Medievais ou Mercados Medievais e Recriações Históricas são constituídas, essencialmente, por um conjunto de atividades diversificadas e localizadas no tempo e no espaço, pois só assim podem ser compreendidas por todos aqueles que as visitam.

 

JULHO de 2018

Dias 25 a 29 – Feira Medieval de Caminha | Caminha | Dias 25, 26 e 27: 18h00-01h00 / Dia 28: 11h00-01h00 / Dia 29: 11h00-24h00
Estávamos em 1291 quando Caminha assistiu à sua primeira feira. Passados mais de 700 anos, a Feira Medieval de Caminha recria, com rigor, os mercados da época. A boa gastronomia, a música, tudo é passível de se presenciar, envolvidos na magia da máquina do tempo. Da realeza à taberna medieval, ninguém falta a esta feira.
Durante as Inquirições Gerais de D. Afonso III – 1258, Caminha e as suas paróquias viviam sob culto cristão, associados a um orago a quem o povo prestava culto. “Ofícios Maiores – Ofícios do Mar e do Rio – Caminha, entre a navegação alto mar, a costa e rios” é a temática deste ano.

Dias 27 e 28 – III Feira Medieval de Constantim | Constantim – Vila Real | Dia 27: 17h00-24h00 / Dia 28: 10h00-24h00
Como a tradição do povo é parte fundamental da sua história, Constantim ou Villa Constantini, como se julga na sua origem, tem uma história que se perde no tempo. Em 1096, o Conde D. Henrique e D. Teresa concederam Carta de Foral aos “homens bons” que vieram povoar Constantim de Panóias, privilégios confirmados por D. Afonso Henriques, em 1128. Foi o centro administrativo das Terras de Panóias desde 1096 até à fundação de Vila Real, em 1289. Nesse tempo medieval, realizava-se em Santa Maria de Constantim uma das maiores feiras do Norte. Hoje, procura-se recuperar a tradição desse modo de vida ancestral.

Dia 28 – Citânia Viva | Citânia de Briteiros e Museu da Cultura Castreja, Monte de S. Romão – S. Salvador de Briteiros – Guimarães
O evento “Citânia Viva” é uma atividade de encenação histórica que tem vindo a ser realizada na Citânia de Briteiros, desde 2005. É um evento de carácter cultural e recreativo, que pretende articular o desenvolvimento das investigações arqueológicas no âmbito da denominada “cultura castreja”, com a assimilação dos conhecimentos por parte da comunidade local e dos visitantes da Citânia. A Casa do Povo de Briteiros organiza este evento anualmente, com a colaboração da Sociedade Martins Sarmento, e com o patrocínio do Município de Guimarães.

Dia 29 – Representação da Lenda de Santa Marta | Sta Marta de Penaguião | 22h00
A Lenda da Santa Marta é uma lenda da cultura tradicional portuguesa que continua viva na memória das gentes penaguienses devido à sua forte componente cristã. De facto, uma das características desta narrativa é testemunhar a religião que o povo de então professava e continua a praticar, bem como explicar o comportamento do Homem em relação ao sagrado. Nesta lenda, constatamos a presença de antagonismos entre o Bem e o Mal, o Castigo e a Recompensa, as Trevas e a Luz.
Outro elemento fundamental para a compreensão da mortalidade implícita tem a ver com o castigo imposto ao conde pela Santa: “Plantar e trabalhar uma vinha”.
Em pleno século XXI, a cultura a vinha, cultura milenar nestas regiões, continua a ser o suporte económico das gentes que trabalham as paisagens majestosas do concelho de Santa Marta de Penaguião.

 

 

AGOSTO de 2018

Dias 1 a 12 – Viagem Medieval em Terras de Santa Maria | Centro histórico de Sta Maria da Feira | 12h00-01h00
Passaporte para uma viagem única pelas vivências da Idade Média, a viagem medieval proporciona uma completa aula de história viva, onde os visitantes também podem ser atores nos grandes momentos de animação e recriação.
Com 11 prémios conquistados ao longo de uma década, 4 deles internacionais, o evento cruza história, património, animação e gastronomia e apresenta produtos turísticos diferenciadores, como o Bilhete Experiência, para quem quer viver o evento de forma mais intensa e sensorial.

Dias 3 a 5 – Feira Medieval | Mosteiro de Vilela – Paredes | 10h00-24h00
Feira Medieval no Mosteiro de Vilela, por entre cavaleiros, malabaristas, cuspidores de fogo e vendedores ambulantes, assim decorre esta feira medieval, que nos permite reviver durante estes três dias um período da nossa história rico em tradições.

Dias 4 e 5 – Feira das Tradições – Produção do Milho | Alvite – Moimenta da Beira | Dia 4: início às 20h00 / Dia 5: início às 15h00
Esta feira, que se realiza em Alvite, organizada pela associação local “Gente da Nave”, tem como objetivo fazer transparecer as tradições, usos e costumes vividos pela povoação alvitana. O Cortejo Etnográfico dá a conhecer o artesanato típico da freguesia, assim como os trabalhos feitos pelos agricultores ao longo do ano, desde a sementeira até ao armazenamento dos bens alimentícios provenientes da terra. É no Largo da Tulha, no centro da típica vila de Alvite, que se concentram as exposições de trabalhos produzidos pelos artesãos que trabalham ao vivo, dão a conhecer o melhor que ali se produz, desde a cestaria às meias de lã, das mantas de trapos às capuchas de burel, dos queijos, das bolas de carne ao pão e a vinho. A exposição concentra ainda uma pequena amostra dos utensílios usados no cultivo das terras como o arado, carro de bois, as malhadas dos cereais, entre outros.
Esta festa encerra com um jantar típico, onde poderá degustar os pratos tradicionais da região, acompanhado pelos excecionais vinhos Terras do Demo. São dias de verdadeira animação e folia, sempre acompanhados por concertinas e cantares populares.

Dias 10 a 12 de Agosto – I Melgaço Medieval | Centro histórico de Melgaço | 10h00-01h00
A 1 ª edição do evento “Melgaço Medieval” decorre de 10 a 12 de agosto no Centro Histórico da vila de Melgaço e pretende ser um espaço de animação e convívio, criado com os objetivos de dar a conhecer ao público residente e visitante os hábitos e costumes caraterísticos da Idade Média, assim como com o intuito de promover o vasto património arquitetónico da época (castelo, igrejas, etc.).
O evento contempla vários momentos de animação, com música ao vivo, peças de teatro, animadores de rua, exposição e espetáculos com aves (Falcoaria), exposição de animais de “quinta”, passeios de carroça, passeios em “burrinhas”…
Nos diversos espaços inseridos no centro histórico, o visitante poderá desfrutar de outras ofertas: feirinha medieval de produtos locais, artes e ofícios, tasquinhas de gastronomia, exposições temáticas, além da decoração geral de ruas, praças e ruelas.

10 a 12 de Agosto – Recriação histórica do encontro de D. João I com o Duque de Lencastre em 1386 | Ponte do Mouro – Barbeita – Monção
Neste evento serão retratadas em forma de teatro toda a envolvência do encontro de D. João I com o Duque de Lencaster e, para isso, será montada toda uma cenografia medieval que envolverá diferentes contextos da época, como: decoração e ambientação medieval, exposição de armas de guerra e instrumentos de tortura, acampamento militar, animação, música e artes circenses, ceia e cortejo medieval, parque infantil e um mercado medieval com produtos da época.

Dias 13 a 16 – Festa da História | Cidadela de Bragança | dia 13: 18h00-24h00 / dias 14 a 16: 12h00-24h00
Realçando a sua riqueza histórica e patrimonial, Bragança, faz, anualmente, uma viagem no tempo testemunhando períodos históricos marcantes. A zona histórica da cidade veste-se de cor e animação onde o medieval dá lugar a uma nova forma de vida. São dias de festa, onde os cheiros, a música e sabores do passado são presença nas ruas estreitas da cidadela.
Neste espaço, decorrem diversas atividades como a demonstração de antigos ofícios, feira de produtos artesanais, exposição de armas e elementos de defesa, espetáculos de teatro de rua, concertos de música, exibição de falcoaria, cetraria.

Dias 17 a 19 – VI Festa dos Povos em AQVA FLAVIAE | Alamedas do Tabolado e de Trajanos – Chaves | dia 17: 19h00-24h00 / dia 18: 15h00-24h00 / dia 19: 15h00-23h00
Ao longo da 6ª edição do evento galaico-romano “Festa dos Povos em Aqvae Flaviae” decorrerão as mais variadas atividades socioculturais, que nos transportarão até à época do Imperador Tito Flavio Vespasiano.
Palco de iguarias gastronómicas, jantares galaico-romano, festim de bebidas, saberes ancestrais, simulações bélicas (luta entre gladiadores, luta galhofa e jogo com varapaus), recriações mitológicas, interpretações musicais e bailados, circus maximus e cortejos pelas artérias de Aquae Flaviae, onde estarão representados os povos galaicos, legionários, gladiadores, senadores, músicos, bailarinos, mendigos, escravos, falcoeiros e divindades, numa azáfama constante de episódios que retratarão o quotidiano de Aquae Flaviae.