Fins-de-semana Gastronómicos – Abril 2018

 

Provérbio ou ditado popular: “Abril, tempo de cuco, de manhã molhado e à tarde enxuto”. Conheça outros provérbios sobre os meses do ano.

 

Carrazeda de Ansiães – 30 e 31 de Março e 1 de Abril

O paladar aguça o apetite, daí que Carrazeda de Ansiães goste de apresentar bons petiscos de encher a barriga e satisfazer qualquer especialista apreciador de bons manjares. Pratos recheados, bom vinho de consumo ou o digestivo vinho tratado ali fabricado e até envelhecido em casco de carvalho ou castanho, tão doce como o mel das abelhas, e escorregadio pelas gargantas afinadas dos apreciadores de “Baco”.

Por isso, pode-se ir a Santa Eufémia e comer a marrã, carne de porco ali assada na brasa, o fumeiro local, onde o presunto, o salpicão e o chouriço de carne reinam em qualidade e paladar. Mas, se preferir, também pode saborear javali, perdiz ou coelho “à caçador”, que não vai deixar de o aconselhar aos seus amigos. E ainda os peixinhos do rio à maneira camponesa, em Foz Tua.

Outros pratos regionais estão ao dispor do turista, como batata assada no forno, com casca e bacalhau assado, cabrito asado no forno, feijoada à transmontana e os famosos bacalhau e polvos cozidos com batata e couve, na noite de consoada.

A nível de doçaria, existem diversas variedades de bolos com maçã adicionada, o típico doce de abóbora, o tradicional arroz doce ou os folares doces e de carne, na altura da Páscoa.

O que pedir nos restaurantes aderentes: Alheira assada | Cabrito assado no forno, acompanhado por batata assada e arroz branco | Doces de maçã e arroz doce

 

Cinfães – 6, 7 e 8 de Abril

Cinfães é terra de valores históricos e culturais, cujo património vem desde os primórdios. Destes, mantém-se o rigor gastronómico das encostas, que ainda hoje transportam algumas das melhores experiências gastronómicas da região. Atualmente, em plena evolução gastronómica, Cinfães manifesta o requinte que apura a qualidade de qualquer prova.

Nesta edição, apresenta-se a Vitela Assada no Forno como um dos melhores exemplos da herança local. Acompanhada da típica batata assada e arroz, e cozinhada, preferencialmente, em lume tradicional, esta maravilha provoca uma infinidade de sensações em cada toque, resultando numa experiência certamente inesquecível.

São vários os que reconhecem o potencial do Vinho Verde local que, com a frescura ideal, transporta os aromas frutados que durante o ano deambulam nos prados que envolvem estas vinhas.

E para sobremesa, nada como os Bolos de Manteiga (Matulos), macios, delicados e doces.

O que pedir nos restaurantes aderentes: Moira e chouriça tradicional | Vitela assada no forno | Bolos de manteiga | Pão-de-ló de Cinfães

 

Macedo de Cavaleiros – 6, 7 e 8 de Abril

“A gastronomia de Macedo de Cavaleiros é diversificada. Depois de saborear, o viajante sentirá a tentação de conhecer os ingredientes da cozinha tradicional, baseada na carne de primeira qualidade (bovina, caprina e suína) e na agricultura tradicional, que proporciona boas hortaliças e verduras, regadas com o harmonioso azeite.

Dos pratos de caça, nomeadamente o javali estufado com castanhas, até aos enchidos resultantes da matança do porco, passando pela doçaria ligada à castanha, Macedo de Cavaleiros é um atrativo gastronómico para quem nos visita.

Miguel Torga, in “Um Reino Maravilhoso”, sem identificar localidades, mas podia estar a falar de Macedo de Cavaleiros, considerou como ex-libris do fumeiro transmontano a «Trindade nacional do Reino»: presunto, alheira salpicão. Daí a nossa sugestão: Grelos com salpicão, o prato mais típico do Entrudo Transmontano.

É para este reino dos sabores e dos saberes que vos convidamos.”

O que pedir nos restaurantes aderentes: Grelos com enchidos (alheira, linguiça, salpicão, cápsulas secas com butelo) | Javali no pote | Pudim de Castanha

 

Paredes – 6, 7 e 8 de Abril

A exemplo do sucedido nos anos anteriores, o Município de Paredes volta a associar-se à iniciativa do Turismo Porto e Norte de Portugal, proporcionada pelos “Fins-de-semana Gastronómicos”. Uma aposta de sucesso que visa promovera divulgar a riqueza dos sabores tradicionais da gastronomia do concelho de Paredes, numa oportunidade para os visitantes disfrutarem da beleza das nossas paisagens e da riqueza do nosso património.

Prevista para o fim-de-semana de 6,7 e 8 de 2018, esta edição terá o Cabrito Assado no forno a lenha, acompanhado de arroz e Sopa Seca, como iguarias selecionadas nas refeições servidas pelos estabelecimentos de restauração aderentes.

O que pedir nos restaurantes aderentes: Cabrito Assado no forno a lenha acompanhado de arroz | Sopa Seca Doce

 

Vila Nova de Famalicão – 6, 7 e 8 de Abril

A Gastronomia é uma das vertentes socioculturais que mais identificam os Famalicenses, constituindo um importante factor de diferenciação e afirmação do concelho.

Consciente da singularidade e mais-valia desse património cultural genuíno, a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão tem desenvolvido uma forte aposta na promoção da gastronomia local e tradicional, com o objectivo de consolidar a prestigiada imagem que esta terra de Camilo Castelo Branco possui enquanto destino gastronómico, dando a conhecer sabores ancestrais e genuínos que um variado leque de restaurantes tem desenvolvido, de geração em geração, com tradição, brio e sentido de excelência.

O que pedir nos restaurantes aderentes: Bolinhos de Bacalhau | Rojões com Papas de Sarrabulho | Leite-creme

 

Armamar – 20, 21 e 22 de Abril

Armamar é um roteiro gastronómico obrigatório para apreciadores e especialistas. Aqui sobrevivem usos e costumes que conferem aos produtos locais características de requintado e irresistível sabor.

A cozinha tradicional no nosso município é simples, mas de grande qualidade, havendo uma relação direta entre os ingredientes da região e os pratos típicos tradicionais. Por isso, são muitos os turistas que visitam o nosso concelho para puderem apreciar os sabores únicos da gastronomia local.

O Cabritinho de Armamar, assado no forno a lenha, acompanhado com batatas, arroz de forno e legumes da época, constitui uma das especialidades da nossa cozinha tradicional. A origem de tal costume perde-se nos tempos, e possui as suas raízes em ancestrais hábitos pagãos, trazidos até nós através das influências judaica e muçulmana.

O que pedir nos restaurantes aderentes: Tábua de enchidos e tábua de queijo de cabra | Cabritinho de Armamar | Tarte de maçã

 

Mondim de Basto – 20, 21 e 22 de Abril

É na riqueza do património natural que a gastronomia de Mondim de Basto vai buscar os seus principais valores. Dos prados naturais de altitude e da vegetação espontânea dos montes vem a carne do cabrito tradicional, produto gastronómico do concelho e reconhecido como raça autóctone. Nos lameiros verdejantes das freguesias de montanha, “nasce” a carne bovina maronesa, produto com características sensoriais e nutritivas de elevada qualidade. Aconselha-se, vivamente, a degustação destes dois produtos de excelência.

Os milhos regionais, confecionados segundo a tradição, tornam-se também num produto gastronómico interessantíssimo, podendo ser “pobres” ou “ricos”, em função das carnes que os acompanham.

E se da altitude vêm as carnes das raças autóctones, das meias encostas do vale do Tâmega vêm os vinhos verdes de Mondim de Basto, brancos e tintos, qual bênção divina, capazes de dar ao corpo da gastronomia da nossa terra. Não parte de Mondim de Basto sem um brinde à Nossa Senhora da Graça.

O que pedir nos restaurantes aderentes: Pataniscas de bacalhau | Cabrito assado com arroz de forno | Pão-de-ló húmido