Informações sobre a visibilidade dos planetas em 2018

 

De acordo com as informações disponibilizadas pelo Observatório Astronómico de Lisboa, em 2018 (hora legal) vai ser esta a visibilidade dos planetas:

 

Mercúrio só poderá ser visto próximo do horizonte, a leste, antes do nascimento do sol ou a oeste, depois do ocaso do sol.

Será visível, de manhã, por volta do instante do começo do crepúsculo civil, de 01 janeiro a 04 de fevereiro, de 10 de abril a 29 de maio, de 17 de agosto a 11 de setembro e de 03 de dezembro a 31 de dezembro. O planeta apresentar-se-á mais brilhante no fim de cada um destes períodos; as melhores condições de visibilidade ocorrerão, no hemisfério norte, em inícios de janeiro, finais de agosto e meados de dezembro, e no hemisfério sul, a partir de meados de abril a meados de maio.

Será visível, de tarde, por volta do instante do fim do crepúsculo civil, entre 28 fevereiro e 25 de março, de 14 de junho a 01 de agosto e de 04 de outubro a 21 de novembro. O planeta apresentar-se-á mais brilhante no começo de cada um destes períodos; as melhores condições de visibilidade ocorrerão, no hemisfério norte, em meados de março e, no hemisfério sul, nas primeiras semanas de julho.

Terá movimento retrógrado de 22 de março a 14 de abril, de 25 de julho a 18 de agosto e de 17 de novembro a 6 de dezembro.

 

Vénus poderá ser facilmente identificado pelo seu grande brilho.

Desde o início do ano e até ao final da terceira semana de fevereiro, Vénus estará demasiado perto do sol, sendo difícil a sua observação. A partir dessa altura aparecerá como estrela da tarde, mantendo-se visível até ao final de outubro. Nessa altura ficará novamente demasiado próximo do sol até ao início de novembro, quando reaparece como estrela da manhã. Mantém-se visível como estrela da manhã apenas até finais de novembro.

Vénus estará em conjunção com Mercúrio em 05 e 18 de março, e em 14 de outubro.

Terá movimento retrógrado de 05 de outubro a 14 de novembro.

 

Marte pode ser visto no céu matutino no início do ano, encontrando-se na constelação de Balança. A sua elongação oeste irá aumentando gradualmente, e em fevereiro move-se para a constelação de Escorpião e depois para a de Ofiúco (passando 5º N de Antares em 10 de fevereiro), passando na constelação de Sagitário em meados de março e em meados de maio na constelação de Capricórnio. Estará em oposição em 27 de julho em que será visível durante toda a noite. Regressa para a constelação de Sagitário em finais de agosto e, em seguida, passa pelas constelações de Capricórnio, Aquário e Peixes até finais de dezembro. A partir do início de dezembro só pode ser visto no céu ao anoitecer.

Marte estará em conjunção com Júpiter em 07 de janeiro e com Saturno em 02 de abril.

Terá movimento retrógrado de 28 de junho a 28 de agosto.

 

Júpiter pode ser visto ao amanhecer na constelação de Balança no início do ano. A sua elongação oeste irá aumentar gradualmente e, a partir da segunda semana de fevereiro, estará visível durante mais de metade da noite. Estará em oposição à 01h em 09 de maio, quando é visível durante toda a noite. No início de agosto passa a ser visível apenas ao anoitecer. De meados de novembro até o início de dezembro estará demasiado próximo do Sol, impossibilitando a observação. Reaparecerá no início de dezembro de manhã no céu matutino na constelação de Escorpião, movendo-se para a constelação de Ofiúco em meados de dezembro (passando 5º N de Antares em 20 de dezembro).

Júpiter estará em conjunção com Mercúrios em 30 de outubro e 21 de dezembro e com Marte em 07 de janeiro.

Terá movimento retrógrado de 09 de março a 11 de julho.

 

Saturno fica demasiado perto do sol impossibilitando a sua observação desde o início do ano até o início da segunda semana de janeiro em que aparece no céu nascendo logo antes do nascimento do sol na constelação de Sagitário. Permanecerá nesta constelação durante todo o ano. A sua elongação oeste irá aumentando gradualmente e no início de abril torna-se visível durante mais de metade da noite. Atinge a oposição às 13 horas do dia 27 de junho, data em que pode ser visto durante toda a noite. A partir de finais de setembro até meados de dezembro só será possível observá-lo ao anoitecer, e depois deixa mesmo de se poder observar, por se encontrar muito próximo do sol.

Saturno estará em conjunção com Mercúrio em 13 de janeiro e com Marte em 02 de abril.

Terá movimento retrógrado de 18 abril a 06 de setembro.

 

Úrano, invisível à vista desarmada, estará visível no céu ao anoitecer na constelação de Peixes no início do ano e permanecerá próximo desta constelação até ao final do ano. A partir de meados de janeiro a finais de março, só se pode ver ao anoitecer. Depois, a sua proximidade do sol impedirá a sua observação, reaparecendo em meados de maio no céu matutino na constelação de Carneiro.

Estará em oposição à 01h em 24 de outubro. Em seguida, a sua elongação este diminui gradualmente voltando à constelação de Peixes no início de dezembro, onde pode ser visto durante mais de metade da noite.

Terá movimento retrógrado de 07 de agosto até ao final do ano.

 

Neptuno, invisível à vista desarmada, estará visível no céu ao anoitecer na constelação de Aquário no início do ano, onde permanecerá durante todo o resto do ano. Na segunda semana de fevereiro ficará demasiado próximo do sol para poder ser observado e reaparecerá no céu matutino na segunda metade de março.

Estará em oposição às 18h do dia 07 de setembro e a partir de inícios de dezembro só se poderá ver ao anoitecer.

Terá movimento retrógrado de 19 de junho a 25 de novembro.

 

Da descrição acima nota-se que em algumas alturas do ano há 2 planetas visíveis em simultâneo à mesma hora e na mesma zona do céu. Atenção para não os confundir.

Esses casos são:

  1. Júpiter e Marte na primeira metade de janeiro (Júpiter é o planeta mais brilhante).
  2. Júpiter e Mercúrio de finais de outubro a início de novembro (Júpiter é o planeta mais brilhante).
  3. Júpiter e Mercúrio na segunda metade de dezembro (Júpiter é o planeta mais brilhante).
  4. Mercúrio e Saturno em meados de janeiro (Mercúrio é o planeta mais brilhante).
  5. Mercúrio e Vénus de finais de fevereiro a finais de março. (Vénus é o planeta mais brilhante).
  6. Marte e Saturno de finais de março a meados de abril. (Marte é o planeta mais brilhante).

 

Fonte: Observatório Astronómico de Lisboa