Junho, mês dos Santos Populares

Quando chega o mês de Junho,

Mês dos Santos Populares,

Reina uma santa alegria

Traduzida em mil cantares.

 

É Santo António? ou São João?

Será São Pedro o de maior devoção?” (1)

 

Junho deriva do latim Junius, de Júnio Bruto, ou deve-se ao facto de ser consagrado a Juno, rainha dos deuses e mulher de Júpiter, na mitologia romana. Equivale à deusa grega Hera e, como ela, era protectora das virtudes femininas, para além da rainha do céu, protectora do Estado, ao mesmo nível de Júpiter e Minerva, com quem formava a Tríade Capitolina. (O Monte Capitolino era o mais ilustre das colinas de Roma, sobre o qual se erguia o Templo de Júpiter, rodeado de Juno e Minerva).

Junho era o quarto mês do primeiro calendário romano, atribuído a Rómulo, fundador de Roma, que lhe atribuiu 30 dias, tendo Numa Pompílio reduzido o número de dias para 29. Actualmente, e desde as reformas do calendário juliano e do calendário gregoriano, é o sexto mês do ano, com 30 dias.

Os antigos gregos festejavam nele e em cada olimpíada o seu Júpiter Olímpico, senhor absoluto de tudo, consagrando-lhe folguedos e jogos de que Hércules foi o iniciador: os Jogos Olímpicos, que se celebravam na cidade de Olímpia, Grécia, de quatro em quatro anos. Estes começavam em Junho, a partir do solstício de Verão. No ano de 776 a.C. tiveram início as primeiras olimpíadas.

Os antigos representavam Junho na figura de um mancebo coberto com um manto verde-escuro, coroado de vários emblemas e com um cesto de frutas no braço, tendo na mão uma águia. Foi ainda representado por um lavrador regando as suas searas.

Na ilustração românica dos meses, Junho aparece sempre como o mês das colheitas, com ceifeiros a segar e a atar molhos ou feixes de espigas.

É neste mês que, já no nosso calendário, se festejam os santos mais populares, ateando-se fogueiras e entoando canções aos milagrosos Santo António, São Pedro e São João.

 

Da natureza e efeitos do Signo de CARANGUEJO

(22 de Junho a 22 de Julho)

Este signo é figurado por um caranguejo, cuja natureza é de água; é frio e húmido, feminino, nocturno e movível; porque entrando o Sol nele, se muda a qualidade de tempo, influindo humidade e frialdade temperada, apta e conveniente para os nutrimentos. Entra o Sol neste signo a 22 de Junho e até que sai diminui o dia meia hora.

O varão que nascer sob a influência deste signo será denodado, de regular estatura, secreto, humilde e alegre. Denota que padecerá alguns trabalhos por pleitos e que defenderá causas alheias e parece que o inclina a ser requerente; e assim virá a ter as demandas, que lhe denota e que será grande gastador. Mostra ter perigo de água, fogo e ferro e que será arrogante e de muita reputação; ao qual denota enfermidades, porém pequenas e promete que viverá, conforme sua natureza, setenta e três anos.

Se for fêmea denota que será diligente, cuidadosa, pronta ao pesar, que com brevidade lhe passará e será muito agradecida. Mostra que padecerá algumas inquietações por causa de filhos e família. Terá muitos filhos e corre perigo de cair de alto e achará algumas coisas escondidas, ainda que de pouco preço. Denota que viverá sã e lhe promete, conforme sua natureza, setenta anos de vida.

(in “Lunário Perpétuo” – edição de 1901)

(1) Início de uma canção de sabor popular, da autoria de Mons. Ângelo Minhava

 

Superstições e crendices no mês de Junho

Para os nascidos neste mês as flores da sorte são as rosas, muito apreciadas pelo seu aroma e beleza. É geralmente tomada como símbolo da amizade, do amor e da paixão.

Há quem acredite que se as pétalas de uma rosa caem quando uma pessoa a tem na mão, ficando apenas a haste, é um agouro de que essa pessoa morrerá em breve. Desde a antiguidade que se crê que esta flor podia proteger os mortos contra os espíritos malignos, pelo que a utilizavam para decorar as sepulturas.

As pedras preciosas que proporcionam felicidade quando oferecidas às pessoas no seu aniversário em Junho são as pérolas ou ágatas, símbolo de saúde.

Os agricultores acreditam que se neste mês se ouvirem os primeiros trovões do ano, significam abundância de pão e pesca; porém falta de frutas e cheias dos rios.

Crença popular – Casado no mês das rosas de Junho, a vida será uma longa lua-de-mel.

Provérbios:

– Em Junho ceifa o teu trigo e debulha-o e, quando o vento vier soprando, vai-o limpando.
– Até ao S. Pedro (29), tem o vinho medo.
– Junho chuvoso, ano perigoso.
– Feno alto ou baixo em Junho é segado.
– Junho, Julho, Agosto, senhora não sou vosso.
– Em dia de S. Pedro (29) vê o teu olivedo, e se vires um bago, espera um cento.