Peras – fruto com muito que se lhe diga!

 

As peras são um fruto há muito conhecido e há muito apreciado, que surgem em diversas variedades, cativam pelo seu delicado sabor, pela sua versatilidade a nível gastronómico e pelos seus benefícios para a saúde.

Pera há muitas! E das muitas variedades existentes, que se dividem, sobretudo, entre as peras europeias e as asiáticas, todas têm um denominador: são requintadamente deliciosas! Bem, diga-se em abono da verdade que os denominadores comuns não se ficam pelo sabor, porque a esta podem somar-se: a versatilidade e os benefícios para a saúde.

Homero (poeta da Grécia Antiga e ao qual tradicionalmente se atribui a autoria dos poemas épicos Ilíada e Odisseia.), descreveu as peras como um “presente dos deuses”. Já então era apreciadas. Mas, já antes gostavam delas, desde que a espécie começou a ser domesticada, há seis mil anos, na China. Disseminadas pelo mundo, com o passar dos séculos, o seu sabor delicado e suave colheu a aceitação geral.

Em 1661, Jean-Baptiste de La Quintinie (N: 1.03.1626, Chabanais, França | F: 11.11.1688, Versalhes, França), advogado e botânico, responsável pelos jardins de Versalhes, apaixonado pelo cultivo de peras, escreveu em relatos: “Tenho de confessar que, entre todos os frutos deste lugar, a natureza não mostra nada tão bonito nem tão nobre como as peras. São as peras que fazem as maiores honras nas mesas.”

E o grande chef francês Auguste Escoffier (N: 28.10.1846, Villeneuve-Loubet, França | F: 12.02.1935, Monte Carlo, Mónaco) – um dos mais importantes expoentes no desenvolvimento da chamada Cozinha Francesa Moderna, que popularizou e renovou os métodos tradicionais da culinária francesa – prestaria a sua homenagem a este fruto, por volta de 1864, ao criar uma sobremesa que, de facto, honra qualquer mesa: a poire Belle Hélène, feita de peras escalfadas em xarope de açúcar e servidas em gelado de baunlha e xarope de chocolate.

Ainda em França, também no século XIX, um pasteleiro parisiense inventaria a tarte Bourdaloue, feita com peras cozidas e creme frangipane. “Este doce é mais uma das preparações que foi nomeada a partir da rua onde a confeitaria que a criou está localizada. A tarte Bourdaloue surgiu em plena Belle Époque, no final do século XIX, em uma pastelaria da Rua Bourdaloue, no 9º distrito de Paris, que foi instalada ali por volta de 1850, sendo uma criação do confeiteiro Lesserteur. Àquela era comum que os clientes ignorassem o nome do artesão, mas não o da rua onde o doce da moda era fabricado.

O nome da rua que nomeia a torta deve-se a um jesuíta francês do século XVII, e contemporâneo de Louis XIV, chamado Louis Bourdaloue, que se destacou como grande orador. Era evidente que ele sabia se dirigir às massas, mais do que o Rei Sol. Louis Bourdaloue chegou até a posteridade com uma estátua à vista no Museu do Louvre, no pátio de Napoleão, especificamente.1

Mas não se pense que este fruto vai só bem nos doces, embora seja, talvez, onde melhor dá cartas – relembremos os crumbles, as tortas, as compotas, as geleias, os chutneys, e os gelados onde pode ser protagonista. Certo é que as peras são também excelentes em risotos, saladas de fruta ou de vegetais, sumos e smoothies e para acompanhar frango, pato, porco e até peixes.

 

Variedades

Apesar de existirem inúmeras variedades de peras, vamos fazer referência apenas a algumas delas:

Abate fetel: característica pelo seu formato alongado e polpa doce. À medida que amadurece, torna-se mais amarelada, mais sumarenta, mais doce e aromática.

Comice: arredondada e achatada, tem a casca rosada na parte exposta ao sol. A polpa é tão fina e sumarenta que se derrete na boca.

Conference: possui casca grossa, de cor amarela esverdeada com muita carepa. A polpa é fina, suave e aromática, sumarenta e açucarada.

General Leclerc: fruto de calibre grande e irregular, e com casca grossa. A polpa é branca, suculenta e aromática.

Rocha: é uma variedade exclusivamente portuguesa, característica pela sua polpa fundente. Possui uma casca fina e lisa, de cor amarela e verde-clara. A sua polpa é branca, granulosa, doce e com um perfume ligeiramente acentuado. A sua textura vai de crocante a macia, conforme o amadurecimento.

Benefícios

Por ser um fruto simples e de fácil digestão, é dos primeiros a ser introduzido na alimentação dos bebés. Contribui para a saciedade e regulação do trânsito intestinal, uma vez que é rico em fibra.

Sugestões sobre…

como escolher – Escolha as peras com casca firme, sem contusões, manchas e picadas e insetos.

como conservar – Se não deseja consumir as peras de imediato, deve guardá-las no frigorífico, na zona inferior, dentro da gaveta da fruta e vegetais. Se pretende consumi-las cum curto espaço de tempo, coloque-as na fruteira. Para conservar as peras durante um período superior a 10 dias, não deve misturá-las com outros frutos, como bananas ou quivis, pois estes aceleram a sua maturação.

… como consumir – As peras são excelentes consumidas ao natural, mas também são muito utilizadas em tortas, compotas, geleias, mousses e cremes. Em pratos salgados, as peras casam bem com queijos de sabor picante ou forte.

Poderá saber mais informações sobre as peras, aqui.

Informação nutricional (composição por cada 100 g de parte edível de pera com casca)

Energia: 41 kcal | Água: 85,1 g | Proteína: 0,3 g | Gordura total: 0,4 g | Hidratos de Carbono: 9,4 g | Ácidos orgânicos: 0,10 g | Fibra alimentar: 2,2 g | Ácido Linoleico: 0,1 g | Vitamina A: 2,0 µg | Caroteno: 9,0 mg | Tiamina: 0,020 mg | Riboflavina: 0,020 mg | Niacina: 0,20 mg | Vitamina B6: 0,020 mg | Vitamina C: 3,0 mg | Sódio: 8,0 mg | Potássio: 150 mg | Cálcio: 9,0 mg | Fósforo: 10 mg | Magnésio: 9,0 mg | Ferro: 0,3 mg | Zinco: 0,2 mg

Fonte: Tabela da Composição dos Alimentos, Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge

Fonte do texto base: Continente Magazine (adaptado e ampliado) | 1 Fonte | Imagem de rkrl001 por Pixabay