“Pitos” de Santa Luzia e “Ganchas” de São Brás | Vila Real

 

Os “Pitos” de Santa Luzia e as “Ganchas” de S. Brás são dois famosos doces tradicionais de Vila Real, cada um com a sua história curiosa, mas ambos relacionados um com o outro pela malícia de um povo que gosta de brincar, mas sem ofender!

As “ganchas” são rebuçados em forma de báculo enfeitados com papel colorido. Porque se diz em forma de báculo e não de bengala? Apenas por estarem associadas a São Brás, o santo que tomou a púrpura do bispado, e a quem todos os anos (dias 2 e 3 de fevereiro) se organizam festas. Nesses dias, é costume em Vila Real os rapazes darem a “gancha” às raparigas.

São Brás venera-se na respectiva capela, localizada na Igreja de S. Dinis, na “Vila Velha”, com festa nos dias 2 e 3 de Fevereiro.

Antigamente, o sino dessa igreja, tocava quase incessantemente, duma quase melodiosa, que até foram criadas quadras de sabor popular, como esta (embora contrariando a tradição de ser o rapaz a oferecer a gancha à rapariga):

Eu vou ao S. Brás
de cú para trás
comprar uma gancha
p’ró meu rapaz

Já no dia de Santa Luzia, são as raparigas que dão o “pito” aos rapazes. Os “pitos” são uma especialidade, também única de Vila Real, feita de farinha de trigo, açúcar e doce de calondro (abóbora), de fabrico tradicional e sabe-se lá porque é que o povo lhe pôs em cima tanta malícia! Terão sido “inventados” por uma tal Maria Ermelinda Correia, de seu nome de baptismo, depois irmã Imaculada de Jesus, e que era deveras gulosa. Foi este defeito que levou a família a pedir a graça da clausura na esperança de lho transformar em virtude.

Santa Luzia venera-se, com festa no dia 13 de Dezembro, na respectiva capela, localizada na localidade de Vila Nova, freguesia de Folhadela. Também se celebra em Ermida (Capela de S. Gonçalo) e em Vila Marim.