Os Reis Magos chegam à Eurocidade de comboio

 

Os Três Reis Magos do Oriente vão chegar à Eurocidade Tui-Valença, no próximo sábado, 5 de janeiro, numa Cavalgata Real que terá a duração de duas horas de magia, 3,5 Kms de extensão e ainda 1,5 toneladas de caramelos para distribuir por todos, particularmente pelos mais pequenos

Reis Magos Chegam de Comboio

Os Reis Magos chegam de comboio à Estação de Valença, às 15h15 (PT), vindos do Oriente. No Largo da Estação prepara-se a Cavalgata que terá início às 16h(PT), num percurso de 3,5 Kms, até ao centro de Tui.

3,5 Kms da Cavalgata de Reis

Este ano, o início da Cavalgata de Reis será do Largo da Estação de Valença, às 16h (PT). Daqui, a Cavalgata segue um percurso de 3,5 Kms que se desenvolve pela avenida do Colégio Português, Miguel Dantas, rotunda da Trapicheira, avenida de Espanha e atravessa a Ponte Internacional. Já em Tui, o percurso prosseguirá pela avenida de Portugal, rua Martínez Padín, Augusto González e terminará no Passeio da Corredoira, com a Receção dos Reis Magos aos mais pequenos.

Cavalgata com carros alegóricos

As três carroças alegóricas, magnificamente adornadas, dignas de levar suas majestades os Reis Magos, vão sobressair numa cavalgata que contará, ainda, com carros alegóricos de várias instituições de Tui e Valença. Como manda a tradição, a Cavalgata abrirá com a Rondalla do Centro Cultural O Mosteiro de Pexegueiro. No total, serão 150 os figurantes que darão corpo à décima Cavalgata Internacional de Reis da Eurocidade Tui-Valença.

1.500 Kgs de caramelos adoçam a boca os pequenotes               

A magia dos caramelos é o delírio dos mais pequenotes que, ao longo do percurso, vão apanhando os caramelos oferecidos pelos Reis Magos. No total, serão mais de 1.500 kg de caramelos, sem glúten e lactose, para dar muita alegria a todas as crinaças, num fim de tarde e início de noite que promete ser único no ano.

Reis Magos vão às instituições de solidariedade social

Sexta-feira, 4 de janeiro, os Reis Magos vão visitar as instituições de solidariedade social de Valença e de Tui.

CM de Valença | FB | Twitter

 

Sobre a cavalgada dos Reis Magos em Espanha…

“Dois mil anos depois, Espanha mantém viva, e se é possível com mais força do que nunca, a sua festa mais alegre e típica de Natal: a chegada dos Reis Magos do Oriente a todas as cidades e povoações do país, na tarde de 5 de janeiro, e a entrega dos presentes na manhã de dia 6. Sem ceder aos ares anglo-saxónicos que convidam com a veemência dos centros comerciais a celebrar a chegada do Pai Natal, os espanhóis optaram, quase por unanimidade e sem precisar de eleições, por unir-se em torno da mais castiça celebração, de norte a sul do país. Com efeito, o dia 6 de janeiro é dia de festa nacional em todas as comunidades autónomas, bem como em Ceuta e Melilla. E não há pai ou mãe espanhol com filhos pequenos, qualquer que seja a sua procedência, classe social ou ideologia, que não saia à rua com os pequenos no dia 5 à tarde para receber com alegria e ilusão os três Reis Magos, Melchior, Gaspar e Baltazar. (…)

A origem dos Reis Magos

A adoração dos Magos do Oriente ao Menino Jesus, orientados por uma estrela ao longo de dois mil quilómetros, é uma das tradições mais sólidas do imaginário cristão, tendo em conta o texto que surge no Evangelho de São Mateus (2, 1-2). “Nascido Jesus em Belém de Judeia, no tempo do rei Herodes, uns Magos do Oriente apareceram em Jerusalém dizendo: Onde está o rei dos judeus que nasceu? Pois vimos a sua estrela e viemos adorá-Lo.” Um pouco adiante (2, 11), São Mateus explica: Viram o Menino com Maria, Sua Mãe, e prostrando-se, adoraram-No, abrindo logo os seus cofres ofereceram-Lhe ouro, incenso e mirra.”

A festa dos Magos não teria a importância atual sem a intervenção da cultura e religiosidade populares espanholas, que puseram os Reis nas suas ruas e fizeram à sua volta a festa da Epifania mais espanhola de todo o calendário cristão. Sabe-se que a primeira cavalgada desfilou em Alcoy (Alicante) em 1866, tendo-se aperfeiçoado a tradição em Granada, em 1912, e um pouco mais tarde Sevilha encheu-as de esplendor com a sua tradição de procissões, que se espalhou rapidamente por todo o país. Mais de 100 anos depois, continuam a ser um sucesso entre os espanhóis.”

Begoña Íñiguez | Fonte