Três romarias em Trás-os-Montes e Alto Douro

Em cada ano, na época de Verão, particularmente nos meses de Agosto e Setembro, realizam-se, em Trás-os-Montes e alto Douro inúmeras romarias. Vamos falar-vos, agora, de três delas.

 

Romaria de Nossa Senhora da Pena (Mouçós – Vila Real)

Todos os anos, no 2º Domingo de Setembro, a freguesia de Mouçós (Vila Real) é palco de uma manifestação religiosa quase única em todo o país!

As festividades em honra de Nossa Senhora da Pena reúnem milhares de pessoas que anseiam por assistir à procissão, conhecida pelos seus andores monumentais: estes chegam a atingir 23 metros de altura (mais altos que a própria igreja), pesam toneladas, e são levados por mais de 100 homens.

O final da procissão é marcado pela tradicional “dança de andores” à volta da Igreja, em que, não obstante as suas dimensões e peso, cada um é levado aos saltos pelo adro da igreja. À noite, é tempo de se fazer o arraial, com fogo-de-artifício.

Todos os anos as festas são organizadas por um lugar diferente da freguesia, em regime de rotatividade.

 

Romaria de Nossa Senhora da Saúde (Saudel – S. Lourenço de Ribapinhão – Sabrosa)

Desde tempos de que não há memória, esta Romaria realiza-se todos os anos no mês de Agosto.

Tal como outras festas da região, segundo culturas e hábitos próprios, este acontecimento festivo mostra não só a fé das pessoas, nomeadamente o carinho e veneração a Nossa Senhora, mas também o lado profano característico destas gentes necessitadas das componentes de alegria e diversão aproveitadas para rever familiares e amigos.

São de destacar: a Feira Anual, onde comerciantes e compradores se encontrarão para efectuarem os seus negócios em ambiente descontraído. As actividades religiosas: de manhã haverá a celebração da Eucaristia com pregação seguida de uma procissão à volta do recinto; à noite, procissão de velas com início na igreja matriz de S. Lourenço a terminar na capela de Nossa Senhora da Saúde, em Saudel.

O dia principal das festas está reservado à grande manifestação religiosa: uma procissão em que a imagem de Nossa Senhora da Saúde é colocada num imponente andor e transportada à volta do Santuário; a noite será preenchida com um programa musical e arraial com fogo-de-artifício.

 

Romaria de Nossa Senhora do Aflitos (Pegarinhos – Alijó)

Sendo Portugal um país que no Verão se veste de gala, na maior parte das suas mais recônditas aldeias, não será uma notícia muito invulgar, a divulgação de mais uma Romaria. Porém … quando a festa se reveste de pormenores invulgares ou inovadores, merece a pena a referência.

Em Trás-os-Montes, pertencente ao distrito de Vila Real e concelho de Alijó (terras de bom azeite, bom vinho, boa amêndoa…) existe uma pequena aldeia que mantém viva a tradição que perdura há 178 anos.

Em finais do mês de Agosto, na última semana, mais propriamente, canta, dança e projecta para lá do Marão, a sua faceta de transmontana acolhedora.

A festa, é a Romaria em honra de Nª Sª dos Aflitos de Pegarinhos. Dura seis dias, abrangendo impreterivelmente o último domingo do mês.

O ponto alto, é o domingo! Com a procissão, que parte da nova igreja, em baixo, em meio às habitações, mais perto do povo… e segue pelas ruas íngremes até à capela bem lá no alto, como quem caminha para o céu!

A fé, a paixão, estão bem patentes em todos os participantes e assistentes. Desfilam uma grande quantidade de jovens, que ilustram andores humanos e cenas bíblicas. Anualmente renovados e nunca repetidos. Cenas que se creem únicas no país. Algumas emudecem os assistentes, num silêncio de admiração e respeito. Todas são o grande atractivo que fazem com que os filhos da terra voltem anualmente para participarem e colaborarem, e com que os visitantes, voltem também, quase como se o seu lugar de assistente fosse marcado e reservado ano após ano.

A aldeia, que durante o dia descansa, dormita, no aconchego dos montes que a rodeiam e protegem, ao final da tarde, quando o sol se põe, acorda do seu torpor, sai para as ruas e sobe devagar até ao terreiro lá no alto.

Há animação para todos os gostos… e prolonga-se pelas noites dentro. Afinal os jovens têm de ser atraídos, é preciso fazê-los sentir que Pegarinhos é diferente e vale a pena!

O espectáculo de fogo-de-artifício, é sempre um dos maiores de Trás-os-Montes. Pacientemente esperado, dificilmente causa decepção.

A comissão de festas sabe como agradar aos seus conterrâneos! São os bailes, o desporto, as bandas de música, os ranchos folclóricos, a feira franca, o leilão e a magia e a atracção da música ao vivo dos grupos populares, que numa festa onde a organização e a informação dominam, torna a Romaria a Nª Sª dos Aflitos de Pegarinhos numa das festas mais originais e bem concebidas de Trás-os-Montes e, atrevemo-nos a dizer, de todo o país.

No último dia, segunda-feira… o sabor é de despedida, mas nem por isso esmorece a energia e a garra de quem faz e vive a festa! No fim, na hora de partida, no regresso a casa, o sentimento é comum: Pegarinhos conquista quem a conhece, fica no coração de quem a ama e faz sentir quem por ela passa que Trás-os-Montes, vale a pena! (Carlos Pereira – Membro da Comissão de Festas de Pegarinhos)

 

Na região de Trás-os-Montes e Alto Douro, poderá gostar, também, de ficar a conhecer a Romaria a Nª Sª dos Remédios (Lamego) e a Festa dos Caretos (Podence – Macedo de Cavaleiros).