A Quaresma são 40 dias de renovação  

A Quaresma são 40 dias de renovação

O número quarenta é bastante significativo dentro das Sagradas Escrituras:

– O dilúvio teve a duração de quarenta dias e quarenta noites e foi a preparação para uma nova humanidade.

– Durante quarenta anos o povo hebreu caminhou pelo deserto rumo à terra prometida.

– Antes de receber o perdão de Deus, os habitantes da cidade de Nínive fizeram penitência por quarenta dias.

– O profeta Elias caminhou quarenta dias e quarenta noites para chegar à montanha de Deus.

– Preparando-se para cumprir sua missão entre os homens, Jesus jejuou durante quarenta dias e quarenta noites.

Moisés fez o mesmo.

A palavra Quaresma vem do Latim “quadragésima” e é o período de 46 dias que começa na Quarta-feira de Cinzas e antecede à Páscoa.

Para os cristãos, representa um momento de reavaliação de sua conduta, recordando os 40 dias que Jesus jejuou no deserto.

Chamada à conversão e mudança de vida

Todos os anos, em geral nesta época, a Igreja chama os seus filhos, em todo o mundo, a uma mudança de vida, e para isso os convida à penitência.

Sim, penitência não é, primeiramente, cortar na comida, na bebida e nos folguedos.

É mudança de ideias, de mentalidade, de maneira de pensar e de julgar, é justamente isso que significa a palavra grega “metanóia”, donde derivou o equivalente à palavra penitência.

É esta a mudança mais importante da vida de cada um.

A primeira batalha a vencer é mudar para melhor a nossa maneira de pensar pouco esclarecida, as nossas convicções erradas, os nossos critérios distantes da justiça e da verdade. É natural que assim aconteça.

Se não se mudam as raízes, o tronco e os ramos, ou seja, o que é fundamental na árvore, como se mudarão as folhas, as flores e os frutos?

A Igreja, na Quaresma, pede a cada cristão que tenha a coragem de fazer esta mudança, por dentro, pela consciência e pelo coração.

Claro que, para esta mudança se concretizar e manifestar, é preciso eliminar algumas coisas que, tantas vezes se opõe a essa mudança. Daí o pedido da Igreja para que cada cristão se abstenha daquilo que mais o prejudique.

A uns,

– pede que se limite nos prazeres da comida;

– a outros na bebida;

– a estes que não cedam à sensualidade;

– àqueles que evitem a ganância e a sedução pelo dinheiro, a todo o custo;

– ainda a uns, que não consintam na mentira e na hipocrisia;

– a outros que não dêem lugar à preguiça e ao comodismo;

– e a todos que sejam justos e amem a Deus sobre todas as coisas e aos seus semelhantes como a si mesmo.

Quaresma – Libertação do homem novo

A Igreja pede a cada um que liberte o homem novo que, porventura, definhe ou durma no seu íntimo.

Estas reflexões dirigem-se primeiramente aos meus irmãos na fé, os cristãos, mas têm presentes também todos os homens e mulheres de boa vontade, igualmente dotados de uma incalculável dignidade, que hão de prezar e cultivar.

Tempo de Quaresma é especialmente, para todos os cristãos, tempo em que se deve renovar as energias admiráveis que Deus comunicou a cada um no dia do seu Batismo.

Fazer renascer esse homem novo, vigoroso, liberto e feliz é tarefa premente da Quaresma e da penitência, que há-de prosseguir pelo resto da vida. Que nenhum cristão e homem de boa vontade, no seu próprio interesse, deixe de atender este apelo da Igreja.

Ela faz este pedido consciente de que é “Mãe e Mestra” de todos os cristãos e, de algum modo, de todo o homem e mulher deste mundo

Em tempo como o nosso, tão seduzido pelo acidental, pela mediocridade, pelo passageiro, pelo prazer e por tudo aquilo que o faz fugir de si, do seu íntimo, da sua consciência, este tempo se propõe a auxiliar na mudança de atitudes.

Proposta de penitência que gera felicidade, alegria e paz

A penitência que a Igreja propõe, garante, pelo contrário, a felicidade, a alegria e a paz, apesar de exigir sacrifício e renúncia.

Que as comunidades cristãs, paroquiais e outras, tomem deste modo a sua Quaresma, para que todos os seus membros se sintam estimulados e amparados na sua luta interior.

O fato é que uma boa Quaresma necessita da colaboração de todos os que formam a comunidade dos discípulos de Cristo, não é apenas interesse deste ou daquele.

É tarefa de todos e começa logo pelos responsáveis das comunidades eclesiais. Trata-se, portanto, de trabalho muito exigente e humanamente quase impossível. Não o será, porém, porque contamos com a ação do Espírito Renovador de Deus – o Espírito Santo – e com a riqueza dos Seus dons.

Dessa forma, a meta é fazer da Quaresma, o caminho da Grande Festa da Ressurreição, a Festa da Páscoa, caminhada que tem, forçosamente, que ser centrada no essencial, na conversão pessoal e comunitária.

Texto elaborado com recolhas feitas na net | Imagem de Gini George 

Se quiser receber no seu email os novos artigos publicados, subscreva a nossa Newsletter!

Mantemos os seus dados privados e nunca os partilharemos com terceiros.
Leia a nossa Política de privacidade.