A água e as fontes no imaginário popular

As cisternas são geralmente abastecidas a partir de galerias escavadas horizontalmente, vulgo minas de água. Aquelas conduzem o precioso líquido para um reservatório que é necessário construir uma vez que, sendo a água transportada pelo efeito da gravidade, o abastecimento é constante.

A água e as fontes no imaginário popular
Fonte gótica em Ourém, junto ao castelo.

As características geológicas de determinadas áreas leva a que as águas atinjam maiores profundidades no subsolo. Como sucede, por exemplo, nos maciços calcários do centro do país onde se formam verdadeiros rios subterrâneos e as fracturas existentes nos revelam magníficas grutas naturais que oferecem um espectáculo de rara beleza.

É precisamente a infiltração das águas de superfície através das zonas de descontinuidade das formações calcárias que permitem a formação das estalagmites e estalactites.

No seu contacto com as formações rochosas e outros sedimentos e ainda em função da geotermia ou seja, do nível térmico adquirido de acordo com a profundidade, as águas subterrâneas adquirem características físico-químicas que lhes proporcionam inclusive propriedades curativas.

Ou ainda, como sucede nos Açores, estas podem ser adquiridas em consequência da actividade magmática que se regista na crosta terrestre.

Em qualquer dos casos, a constatação de tais atributos leva frequentemente o povo a atribuir poderes milagrosos a estas águas minerais. O que também ajuda a explicar alguns aspectos da religiosidade popular.

A água e as fontes no imaginário popular
A nascente do Agroal, no rio Nabão, é afamada pelas suas propriedades curativas da psoríase.

A nascente do Agroal

Ficou noutros tempos célebre, em Lisboa, entre outras nascentes de água, a Fonte da Água das Ratas, em Alfama, sempre palco de desacatos que levaram ao seu encerramento.

Entre Tomar e Ourém, milhares de pessoas acorrem anualmente à nascente do Agroal. Aí se banham, na convicção de que a mesma tem poderes curativos para a psoríase.

E, um pouco por todo o país, surgiram as fontes termais e estão identificadas centenas de nascentes com águas aconselhadas para os mais diversos males.

Em regiões onde a água escasseia, assiste-se a um especial cuidado na sua utilização incluindo para fins agrícolas. E, não raras as vezes, as fontes registam uma profunda gratidão ao benemérito que teve a bondade de a oferecer ao povo para seu uso comunitário.

E, o respeito que lhe deve é de tal ordem que, diversas localidades dos concelhos de Ourém e Pombal têm vindo a recuperar antigas fontes para que possam servir aos peregrinos que por ali se dirigem a Fátima.

A água e as fontes no imaginário popular
Junto ao rio Xarrama, entre Alcácer do Sal e o Torrão, a fonte ali existente está associada a um local de culto.

Se quiser receber no seu email os novos artigos publicados, subscreva a nossa Newsletter!

Mantemos os seus dados privados e nunca os partilharemos com terceiros.
Leia a nossa Política de privacidade.