Cristianismo – Cronologia essencial

325Concílio de Niceia I: primeiro a reunir a Cristandade. Condena o Arianismo como heresia e exila Ário. Proclama a igualdade de natureza entre o Pai e o Filho. Compõe o Credo Niceno;

392 – O imperador Teodósio proíbe o paganismo. O Cristianismo passa a ser a religião oficial do Estado;

381Concílio de Constantinopla I: afirma a natureza divina do Espírito Santo no Credo niceno-constantinopolitano, que se recita na missa. Estabelece que o bispo de Constantinopla receberá as honras logo após o bispo de Roma;

Século IV – Os Anacoretas e começo da vida monacal;

430 – Morte de Santo Agostinho, um dos grandes “Padres da Igreja”;

431Concílio de Éfeso: condena o Nestorianismo como heresia. Afirma a unidade pessoal de Cristo e a maternidade divina de Maria;

451Concílio de Calcedónia: condenação do monofisismo. Afirma a unidade das duas naturezas, completas e perfeitas em Jesus Cristo, humana e divina. É escrita a carta dogmática “Tomo a Flaviano” pelo Papa Leão I;

Século V – Invasão do império romano pelo bárbaros, que acabaram por se converter;

O início dos mosteiros ocidentais

526São Bento funda Montecassino, protótipo dos mosteiros ocidentais;

553Concílio de Constantinopla II: condena os ensinamentos de Orígenes e outros. Condena os documentos nestorianos designados Os Três Capítulos;

589 – Conversão ao Cristianismo de Recaredo, rei da Espanha visigótica;

590-604 – Pontificado de São Gregório Magno, que organizou e afiançou os Estados Pontifícios e enviou Santo Agostinho de Inglaterra para evangelizar os anglo-saxões;

681Concílio de Constantinopla III: dogmatiza as duas naturezas do Cristo. Condena o monotelismo;

732 – Os cristãos detêm o avanço do Islão, em Poitiers;

787Concílio de Niceia II: regula a questão da veneração de imagens (ícones). Condena os iconoclastas;

800 – Carlos Magno restabelece no seu trono o papa Leão III, e este coroa-o imperador;

867 – Fócio, patriarca de Constantinopla, excomunga o papa de Roma, Nicolau I;

870Concílio de Constantinopla IV: condenação e deposição de Fócio, patriarca de Constantinopla. Encerra temporariamente o primeiro Cisma Ocidental;

910 – Fundação do mosteiro beneditino de Cluny, que inicia a reforma monástica;

962 – Restauração do império por Otão I, coroado pelo papa João XII;

1054 – Miguel Cerulário, patriarca de Constantinopla, é excomungado pela Igreja de Roma. É o Cisma do Oriente: separação da Igreja oriental e ocidental;

1073-1085 – Pontificado de Gregório VII, reformador da Igreja: unificação litúrgica, condenação da investidura laica, da simonia, etc.. Confrontação com o imperador pelo domínio da Cristandade, problema a que se sobrepõe o das investiduras;

Começam as Cruzadas

1095 – No concílio de Clermont d’Auvergne, o Papa Urbano II apela à primeira de oito cruzadas, conhecidas, em árabe, como Al-Hurab al-Salibiyya ou «As Guerras da Cruz».