Efeitos terapêuticos do alcaçuz, gengibre e arnica

Medicina tradicional antiquíssima

Há mais de 4000 anos que o homem utiliza as plantas para tratar e curar as diversas doenças do corpo e espírito. Esta é, provavelmente, a mais antiga forma de medicina e, curiosamente, surgiu de forma independente nos mais variados povos.

Porém, no século XX, estas curas naturais foram substituídas pelos medicamentos químicos e os seus supostos efeitos “rápidos e milagrosos“. De qualquer modo, nas duas últimas décadas, o interesse pela sabedoria milenar voltou a captar o nosso interesse.

Se procuras uma cura natural com plantas, consegues encontrar no mercado diversas opções.

Alcaçuz com Glicirrizina (Glycyrriza Glabra)

O alcaçuz é um arbusto cuja raiz, que contém glicirrizina, é utilizado há mais de 2000 anos para tratar distúrbios respiratórios, desde

– simples tosses a outras afeções da garganta, como catarro e rouquidão;

– da faringe, como faringite;

– laringe, como laringite;

– e brônquios, como bronquite.

A glicirrizina, sendo doce (50 vezes mais do que o açúcar), é utilizada em confeitaria e medicamentos para a tosse, uma vez que é apreciada por crianças.

Efeitos terapêuticos

– anti-inflamatório;

– expetorante e antitússico;

– antialérgico;

– emoliente (amolece os tecidos, acalmando-os);

– antiespasmódico e hormonal (estimula a produção de estrogénio).

Como utilizar?

Podes mastigar e chupar um pedaço da raiz. Utilizar em decocções (3g por cada chávena) bebidas em cada 2 horas ou, no mínimo,3 vezes ao dia. Tomar em cápsulas de 200 mg, 3 vezes ao dia ou em 2-5 ml da tintura (1:5).

Gengibre (Zingiber Officinale)

O gengibre, bastante conhecido quer pelos seus fins culinários, quer pelos seus efeitos medicinais, é, na verdade, a raiz de uma planta que pode crescer mais de 1 metro de altura.

O chá de gengibre é tradicionalmente utilizado no tratamento de febres, constipações, tosse e afeções de garganta, em digestões difíceis, enjoos, náuseas e azia, para baixar o colesterol, etc.

Na Índia, ele é utilizado para aliviar as enxaquecas. Na fitoterapia chinesa, esta raiz serve para estimular o apetite, os membros frios e ainda combater dores musculares. A raiz contém um óleo essencial composto por zingibereno e zingerona, entre outros.

Efeitos terapêuticos

– antissético;

– anti-inflamatório;

– imunológico;

– antiemético;

– baixa o colesterol;

– gastrointestinal.

Como utilizar?

– Em decocção, podes adicionar limão e mel (entre 1 a 2 g por chávena, pelo menos 3 chávenas por dia).

– Tintura, cerca de 10 a 20 gotas, 1 a 3 vezes ao dia.

– Pó e cápsulas de 500 mg, 3 vezes ao dia.

– Externamente, banhos, compressas e cataplasmas são ótimos para aliviar os sintomas de artrite, gota, dores de cabeça e dores musculares.

Arnica (Arnica Montana)

A arnica foi, desde sempre, utilizada no tratamento de nódoas negras, dores musculares ou articulares como se decorrente de pancada ou outro tipo de contusões. Nestes casos, é uma das melhores plantas a utilizar, mas deve apenas ser aplicada externamente.

A arnica alivia a dor e rigidez das articulações (com o seu caráter analgésico), acelera a cura de cortes e quimoses e aumenta a circulação sanguínea.

As flores e raízes contêm lactonas, quercetina e óleo essencial (o óleo essencial das raízes é estimulante, mas em excesso pode irritar as mucosas – há que ter um especial cuidado para evitar reações de urticária).

Efeitos terapêuticos

– anti-microbiana;

– analgésica;

– anti-inflamatória (devido à presença de bioflavenoides, como a quercetina, que também estimula o sistema imunitário);

– regeneradora cutânea (útil em inflamações cutâneas);

– antirreumática;

– ativadora da circulação.

Como utilizar?

Normalmente, é utilizada apenas externamente, em pomadas ou pela aplicação de compressas (após preparação de infusão). A toma interna é feita apenas com medicação homeopática.

Fonte: Continente Magazine (texto editado e adaptado) | Imagem de Couleur