Morreram durante o mês de Outubro…

No mês de Outubro, ao longo dos tempos, morreram, entre outras, as seguintes personalidades portuguesas:

No dia 1 de Outubro de 1833 morreu Luísa Todi, pseudónimo de Luísa Rosa de Aguiar

(Setúbal, 9.1.1753 – Lisboa, 1.10.1833)

Cantora lírica.

Seu pai, Manuel José de Aguiar, era professor de Música e veio para Lisboa após o terramoto de 1755, integrando-se como instrumentista na orquestra do Teatro do Bairro Alto.

Com apenas 15 anos, juntamente com as suas irmãs Cecília (n. 23.8.1746) e Isabel (n. 5.11.1750), representou e cantou em teatros de Lisboa.

Aos 16 anos casou com o violinista italiano Francisco Saverio Todi.

Estreou-se como cantora de ópera em 1771 e logo em 1772 cantou em Londres.

A partir da sua actuação em Paris em 1778 tornou-se uma das mais famosas cantoras da época.

Meio-soprano de timbre um pouco velado, a sua arte caracterizava-se pela intensa expressividade, tendo exercido grande influência na arte vocal da sua época, em contraste com a sua rival, a alemã Gertrude Mara, que era inexcedível em virtuosismo.

Permaneceu na corte da Prússia (Berlim) de 1782 a 1784 e de 1786 a 1789 e na de Catarina II da Rússia de 1784 a 1786.

Apesar da intensa actividade artística, aos 40 anos era mãe de oito filhos, dos quais seis morreram jovens.

Após notáveis êxitos na Alemanha, Áustria, Espanha, França e Itália, deu por concluída a sua carreira em 1796, regressando depois a Portugal.

No dia 10 de Outubro de 1991, morreu Álvaro Baptista Pereira Salema de Araújo 

(Viana do Castelo, 11.03.1914 – 10.10.1991)

Jornalista, ensaísta e crítico literário português.

Álvaro Salema concluiu, em 1937, o curso de Ciências Histórico-Filosóficas na Faculdade de Letras de Lisboa.

Iniciou a sua actividade literária em 1933 como crítico e ensaísta na revista Seara
Nova
.

Foi redactor principal do Jornal do Comércio e crítico literário do Diário de Lisboa e de A Capital.

Colaborou noutros jornais e revistas e foi director da Biblioteca Breve do Instituto de Cultura e Língua Portuguesa.

Obras principais:

Variações sobre Dom Quixote e o Ideal Quixotesco, 1965,

Ferreira de Castro, 1974,

Trinta Anos de Novelística Portuguesa, 1975,

Bento de Jesus Caraça, Um Humanista para o Nosso Tempo, 1978,

Alves Redol, 1980, e

Tempo de Leitura, 1983 (Prémio do Município de Lisboa).

No dia 11 de Outubro de 1991 morreu José Marmelo e Silva

(Paul, Covilhã, 7.05.1911 – Espinho, 11.10.1991)

Escritor

Licenciado em Filologia Românica pela Faculdade de Letras de Lisboa, dedicou-se ao ensino liceal.

Colaborou na Presença, em O Diabo, na Seara Nova e no suplemento literário do Jornal de Notícias.

Nas suas novelas cultiva sobretudo os temas da sexualidade dos adolescentes e da antinomia cidade-campo.

Obras principais:

Sedução, 1937 (refundida em 1960),

Depoimento, 1939,

O Sonho e a Aventura, 1934 (refundida em 1965),

Adolescente, 1948 (refundida com o título Adolescente Agrilhoado, 1958),

O Ser e o Ter, 1968,

Anquilose, 1968, e

Desnudez Vivante, 1983.

No dia 16 de Outubro de 1982 morreu Adriano Correia de Oliveira

(Avintes, Vila Nova de Gaia, 9.4.1942 – ib., 16.10.1982)

Compositor e intérprete de música popular.

Filho de Joaquim Gomes de Oliveira e da sua mulher, Laura Correia, Adriano Adriano Correia de Oliveira foi criado numa família profundamente católica,
Frequentou o curso de Direito em Coimbra, cidade onde iniciou a sua actividade de cantor, estreando-se com o disco Noites de Coimbra, 1960.

Trabalhou no teatro universitário, tendo-se destacado como elemento do CITAC.

Fixado em Lisboa desde 1968, profissionalizou-se como cantor e músico.

O seu nome tornou-se conhecido pela nova forma que deu ao fado coimbrão, pelas suas músicas e poemas traduzidos em baladas e canções de intervenção e pela divulgação da música popular portuguesa.

No dia 25 de Outubro de 1992 morreu Adelino da Palma Carlos

(Faro, 3.03.1905 – Lisboa, 25.10.1992)

Advogado, professor universitário e político.

De seu nome completo Adelino Hermitério da Palma Carlos, era filho de Manuel Carlos e Auta Vaz Velho da Palma Carlos, numa família com mais cinco irmãos.

Foi um dos fundadores, em 1923, da Liga da Mocidade Republicana, juntamente com Rodrigues MiguéisMayer Garção, e outros. Saber mais…

No dia 26 de Outubro de 1980, morreu Marcello José das Neves Alves Caetano

(Lisboa, 17.8.1906 – Rio de Janeiro, 26.10.1980)

Professor universitário, jurisconsulto e estadista.

Era o mais novo de seis filhos e filhas de José Maria de Almeida Alves Caetano e de sua primeira mulher Josefa Maria das Neves.

Licenciado em Direito no ano de 1927 pela Universidade de Lisboa, foi o primeiro a doutorar-se na mesma universidade (1931) na especialidade de Ciências Político-Económicas. Saber mais…