O relógio roubado – uma história de vida!

O relógio roubado

Um jovem encontra um senhor idoso e pergunta-lhe:

O senhor lembra-se de mim? E o idoso responde-lhe que NÃO.

Então o jovem diz-lhe que ele tinha sido seu aluno, há alguns anos atrás.

Então, o professor questiona:

O que você faz para viver?

O jovem responde:

Bem, eu estudei e decidi ser professor.

Ah, que bom, como eu? – disse o idoso.

É verdade. Tornei-me professor porque o senhor me inspirou a ser como o senhor.

O idoso, algo curioso, pergunta ao jovem o que é que é que tinha acontecido para o ter inspirado a ser professor.

E o jovem conta-lhe a seguinte história:

O roubo de um relógio

– Um dia, um colega meu, apareceu na escola com um relógio novo e bonito. Cheio de inveja, decidi que queria ficar com ele, pelo que lho roubei.

Logo depois, quando esse colega deu conta de que não tinha o relógio, fez queixa ao professor, que era o senhor!

Então, você parou de dar a aula e disse para toda a turma:

– O relógio do vosso colega foi roubado durante esta aula. Quem o roubou, tem de o devolver.

Todos olhavam uns para os outros. E eu não devolvi porque não queria fazê-lo.

Então o senhor fechou a porta e disse para todos nos levantarmos e ficarmos de pé, ao lado da nossa mesa de trabalho, e que iria procurar nos bolsos de todos, até o relógio ser encontrado.

E também disse para fecharmos os olhos, porque só procuraria se todos tivéssemos os olhos fechados.

Então, fizemos o que nos disse, e senhor foi de aluno em aluno, procurando em todos os bolsos.

Quando chegou ao meu bolso onde estava o relógio que eu tinha roubado, tirou-o e guardou-o. Mas continuou a procurar nos bolsos de todos os restantes alunos.

Quando revistou o último aluno, o senhor disse:

– Podem abrir os olhos, pois já encontrei o relógio. E deu-o o dono.

Lição de vida!

Depois disso, o senhor nunca me disse nada, nunca me repreendeu, nem nunca mencionou o que tinha acontecido. Também nunca disse quem foi quem roubou o relógio. Naquele dia, o senhor salvou a minha dignidade para sempre.

Foi o dia mais vergonhoso da minha vida. Mas também foi o dia em que a minha dignidade foi salva, por forma a evitar que eu me tornasse um ladrão, má pessoa, etc.

O senhor professor nunca me disse nada e, mesmo que não me tenha repreendido ou chamado a minha atenção para me dar uma lição de moral, eu percebi claramente a sua mensagem.

Graças a você, eu entendi que é isso que um verdadeiro educador deve fazer.

O senhor lembra-se desse episódio, professor?

E o professor respondeu:

– “Lembro-me da situação, do relógio roubado, que procurei em todos os bolsos, mas não lembro de você, porque também fechei os olhos enquanto procurava.”

Moral da história:

Esta é a essência do ensino: “Se para corrigir você precisa humilhar, então você não sabe ensinar.”

Encontrado na net e adaptado | Imagem (meramente ilustrativa) de StockSnap