Valença recupera pesos e medidas antigas

 

Os pesos e medidas agora recuperados fazem parte das memórias de 519 anos de intensa atividade comercial.

Como eram os pesos e as medidas há 100, 200 ou 519 anos? Valença dá a conhecer a evolução histórica dos pesos e medidas numa exposição que congrega 160 peças originais.

As peças presentes nesta exposição pertencem ao espólio municipal e foram todas recuperadas, apresentando-se agora, pela primeira vez, ao público, com todo o seu esplendor original.

Coleção de Pesos e Medidas de Valença

A Coleção de Pesos e Medidas de Valença surgiu em 1989, por mão do Aferidor Municipal. Passou por várias dependências municipais, ao longo destes 29 anos. Recuperada, estudada e inventariada, apresenta-se agora o público com toda a sua dignidade e valor.

O que se pode ver?

Esta mostra de pesos e medidas é composta por uma coleção de pesos de arratel em ferro e pedra, de oitavas, pesos de folforinhos, peso manuelino, balanças decimais e de suspensão, vara e côvado, metros, cabaça natural, cabaços, medidas duplas, medidas legais, copos aferidos para vinagres, antigos medidores de azeite e petróleo, alqueires, cestos de medida, entre outros. A peça mais antiga, possível de datar, é o Padrão Manuelino de Valença, datado de 1499.

Onde e Quando?

A exposição está patente ao público na sala de exposições da Escola Superior de Ciências Empresariais de Valença até 11 de janeiro.

 

Para saber mais sobre este assunto…

“Os primeiros pesos e medidas

As medidas que usamos em Portugal estão definidas no Sistema Internacional de Unidades (SI). Para o comprimento, a medida principal é o metro (m). Nas medidas de volume ou capacidade, usamos o litro (l). Na medição da massa (na linguagem comum às vezes chamamos “peso”), o padrão de medida é o quilograma (kg).

Quando Portugal se tornou um país independente (com D. Afonso Henriques no século XII) e durante vários séculos, os pesos e medidas eram muito diferentes dos que usamos agora e tinham outros nomes: não havia metro, nem litro, nem quilograma.

Os pesos antigos

Na Idade Média, (antes da época dos Descobrimentos) era muito normal usar pesos feitos de rocha (granito). Alguns destes pesos tinham pegas em ferro para facilitar o transporte e utilização.

As unidades eram diferentes das que usamos agora. Usavam-se medidas chamadas arroba, onça, arrátel e outros nomes antigos, que, na sua maioria, tinham origem árabe.

Havia várias unidades com o mesmo nome, mas que não pesavam o mesmo. Por exemplo, usava-se uma libra de tradição romana que não pesava o mesmo que a libra de origem árabe.

Havia também duas medidas diferentes chamadas “marco”. Uma era o marco de Tria (originário de Troys, França) e outra o marco de Colónia (da cidade de Colónia, na Alemanha).

As medidas de capacidade

As medidas de volume ou capacidade também eram diferentes das que nós conhecemos.

Para os líquidos usavam medidas próprias, cuja unidade principal se chamava almude.

Nesta época era muito comum utilizarem-se medidas de capacidade para medir produtos sólidos, como a farinha ou o feijão. A unidade mais importante para estes produtos (que chamavam de “secos”) era o alqueire. Ex: um almude de vinho; um alqueire de farinha.

Era prática usual medir o azeite pelas medidas dos produtos sólidos.

Em muitos locais havia uma relação entre as medidas de sólidos e de líquidos, mas as medidas não eram iguais em todas as terras, mesmo que tivessem o mesmo nome.

As medidas de comprimento

Nesta época não existia o metro, nem o centímetro e milímetro, nem nenhuma das outras medidas baseadas no metro.

Para medir o comprimento usavam-se medidas baseadas no corpo humano. O padrão de medida usado em Portugal era o palmo. Nem todas as pessoas tinham palmos iguais, mas estava estabelecido que o palmo tinha um tamanho relativamente definido que media (nas unidades atuais) cerca de 22 cm.

As outras medidas usadas no comprimento baseavam-se neste palmo.

As medidas mais usadas eram:

– a vara, que media 5 palmos.

– o côvado, que media 3 palmos;

Havia ainda medidas com outros nomes, como a braça ou a meia vara (que media metade do tamanho da vara) e medidas mais pequenas.

O côvado parece ter origem numa medida chamada cúbito que era o comprimento do cotovelo à ponta do dedo médio, No entanto, esta palavra pode estar associada a medidas antigas, pois é referida na Bíblia (no Antigo Testamento a arca da aliança é medida em côvados).” Continuar a ler

 

[themoneytizer id=”18933-16″]