O Folclore e a Música Barroca | Textos

O Folclore e a Música Barroca

Desde sempre, os grandes compositores foram beber à fonte da criatividade do povo a sua inspiração para a construção de grandes obras da música erudita de todos os tempos. Apesar da sua finalidade espiritual e religiosa, também a música barroca não constituiu uma excepção à regra.

Como é sabido, o período da dominação filipina em Portugal que decorreu entre 1580 e 1640, caracterizou-se pela inexistência de uma corte em Lisboa. Este facto teve como reflexo imediato o empobrecimento da vida cultural do Reino.

Com o desaparecimento da dinastia de Avis, a capela real suspendeu as suas actividades. Acabaria por ser, posteriormente, suplantada pela capela ducal de Vila Viçosa que passou inclusivamente a exibir maior esplendor.

A música profana quase desapareceu e a corte filipina, então a residir em Madrid, não patrocinava a edição de música portuguesa. Nem, de um modo geral, qualquer dinâmica que conferisse à capital portuguesa maior importância cultural.

Música Barroca – A Escola de Évora

Porém, isso não a impedia de apoiar algumas iniciativas que visavam naturalmente aliciar as elites portuguesas, tal como sucedeu com a impressão em 1620 da obra “Flores de Música”, da autoria de Manuel Rodrigues Coelho. Ou ainda permitir a divulgação em Espanha de muitas obras musicais criadas pela chamada “Escola de Évora”.

Acresce aos efeitos da dominação filipina as limitações impostas pelo Concílio de Trento, a Contra-Reforma e a introdução da Inquisição.

Com efeito, as condições políticas, sociais e religiosas então existentes não permitiam a Portugal manter-se actualizado em relação às grandes novidades culturais que já então se faziam sentir noutros países europeus.

Apesar disso e paradoxalmente, foi precisamente o próprio contexto político em que se vivia sob a dominação espanhola que veio a contribuir para o incremento do fervor religioso e, em consequência, o florescimento da polifonia que então se expandia em toda a Europa.

Assim, este período grandioso da música portuguesa, acabaria por coincidir com o auge da polifonia clássica na Europa do século XVII.

E, tal como nos descreve o escritor Rodrigues Lobo na sua obra “Corte na Aldeia”,

os fidalgos e cortesãos por suas quintas e casais, vieram a fazer cortes nas aldeias”,

também a música e as actividades que lhe estão subjacentes, como o seu ensino e a construção de instrumentos musicais, encontraram nas catedrais e noutras instituições religiosas situadas na província autênticos conservatórios.

Pese embora as condições políticas existentes à altura, transformaram precisamente aquele período naquilo que é considerado “a verdadeira idade de ouro da música portuguesa”.

A Sé de Évora

Entre essas catedrais distinguiu-se a Sé de Évora. A tal ponto que passou a ser classificada como a “Escola de Évora” por não só se tratar de um local de aprendizagem como ainda e principalmente de um sítio que se viria a revelar na formação de uma nova corrente estilística.

À importância que veio a ter a “Escola de Évora” não foi, naturalmente, alheio o facto de

D. João III ter decidido instalar a corte precisamente nessa cidade

– e ainda ter o Cardeal D. Henrique dotado a Sé de Évora de uma magnífica capela musical e, para o efeito, haver contratado diversos cantores e instrumentistas.

Foi ainda a convite do Cardeal D. Henrique que Manuel Mendes se tornou, em 1575, Mestre da Capela do Claustro da Sé de Évora.  Este veio a formar uma autêntica plêiade de grandes compositores e músicos que se notabilizaram durante esse período áureo da música portuguesa, salientando-se entre eles

Frei Manuel Cardoso,

Filipe de Magalhães e

Duarte Lobo.

Por seu turno, também o Duque de Bragança, D. Teodósio II, patrocinou a edição de partituras musicais em Lisboa e em Amesterdão, muitas das quais viriam a ser interpretadas na Sé de Évora.

Foi ainda D. Teodósio II, pai do futuro rei D. João IV, quem instituiu o Colégio dos Santos Reis Magos que visava preparar os cantores que deveriam ingressar a capela do Paço Ducal de Vila Viçosa.

Se quiser receber no seu email os novos artigos publicados, subscreva a nossa Newsletter!

Mantemos os seus dados privados e nunca os partilharemos com terceiros.
Leia a nossa Política de privacidade.