Atividade física versus sedentarismo? Saúde em causa!

Uma população de sedentários?

Sequndo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), Portugal atinge mais de 40% de pessoas com uma atividade física insuficiente.

Em Itália, um terço das pessoas afirmam efetuar atividades físicas a um nível que pode ser definido “como ativo“, um outro terço não realiza qualquer tipo de trabalhos pesados e pratica menos atividade física dentro do que recomendado (pessoas “parcialmente ativas“). O último terço declara ser totalmente sedentário.

As estatísticas também revelam que um estilo de vida sedentário torna-se mais frequente com o aumento da idade, sendo maior entre as pessoas com baixo nível de escolaridade e dificuldades económicas.

Verifica-se um progressivo aumento do sedentarismo de Norte para Sul, sendo que no Norte de Itália, em Bolzano, encontra-se 1 sedentário em cada 10 pessoas. Já no Sul, em Basilicata, este número aumenta significativamente, de 1 para 5, sendo que 5 em cada 10 pessoas são sedentárias

Infelizmente, as pessoas sedentárias, ou seja, as que declaram não praticar nenhum desporto ou atividade física no seu tempo livre, têm aumentado ao longo dos últimos anos: de 37,8% em 1995 para 41% em 2006, ou seja, mais de 23.300.000 pessoas.

Sabe-se também que apenas 1 em cada 10 crianças pratica atividade física de forma adequada para a idade que tem, enquanto que 1 em cada 4 crianças, afirmou que não tinha praticado nenhuma atividade física no dia anterior.

Como noutros países europeus, a tendência para o sedentarismo está relacionada com as grandes mudanças do mercado de trabalho e da organização das cidades, em particular com o desenvolvimento da automação, a depreciação social relativamente aos trabalhos manuais, o aumento dos transportes motorizados, a redução do espaço e da segurança para pedestres e ciclistas e, não menos importante, a crescente redução dos espaços ao ar livre dedicados às crianças, os modelos parentais e o peso atribuído à educação física no currículo escolar.

Infelizmente, embora a estreita relação entre a atividade física e a saúde seja bem conhecida e amplamente demonstrada, esta condição de maior ou menor sedentarismo é comum a toda a população europeia.

Em 2006, a pesquisa Eurobarometer demonstrou que as pessoas passam, em média, seis ou mais horas por dia sentadas e, em 2010, a mesma pesquisa demonstrou que um terço dos entrevistados nunca (ou raramente) praticava alguma forma de atividade física ou desportiva.

Sabia que…

A inatividade física é o quarto fator geral de risco de morte, sendo responsável por 6 % das mortes no mundo e 5 a 10% na Europa, embora com impactos diferentes nos diferentes países. Na Europa, todos os anos mais de 8 milhões de anos de vida são perdidos por causa da atividade física insuficiente e um milhão de mortes são atribuídas à inatividade física.

O que se entende por atividade física?

De acordo com o Regional Office for Europe da Organizaçao Mundial da Saúde (OMS), a atividade física refere-se a “qualquer esforço exercido pelo sistema músculo-esquelético resultante num maior consumo de energia do que em condições de repouso“.

Esquematicamente, distinguem-se a atividade não programada e a atividade programada. A primeira inclui as atividades normalmente praticadas no dia-a-dia, que corresponde à “atividade física” propriamente dita.

A atividade física programada inclui o exercício físico (atividade baseada na repetição de movimentos corporais para melhorar a aptidão física) e o desporto.

Atividade física:

Atividade não programada: atividades normalmente realizadas no dia-a-dia (tarefas domésticas, compras, trabalho, atividades lúdicas, etc.): esta é a atividade física propriamente dita;

Atividade programada: exercício físico (atividade física estruturada e direcionada, com movimentos corporais repetidos para melhorar a aptidão física);

Desporto (atividade que envolve regras de competição estruturadas e regulamentadas).

Nota: As informações disponibilizadas neste texto servem apenas para informativos, não podendo, em caso algum, substituir a opinião do médico.

Fonte: “Promova a sua saúde” (brochura editada por Apoteca Natura | SIMG | SIMSE) | Imagem de composita