Feira dos Pucarinhos Negros – 28 e 29 de Junho

Feira dos Pucarinhos Negros

Tapeçaria negra
De rendilhados negros
E multiforme …
Festa negra,
Jarros negros,
Mar de negrume!

…   …   …   …   …   …   …
Um sonho aqui… outro ali,
Embiocados
Em cestos negros …
(A miséria ao luar!)
Em volta,
Como aguilhão, d’ironia,
A romaria:
– «Gente bem» … «meninos bem»…
Cartaz d’inúteis passando
No sulco negro da feira…

…   …   …   …   …   …   …

A cidade agita-se
E no ar,
A baloiçar,
Como num circo sem luz,
Os pucarinhos da fome
E a gargalhada escarlate
Do povoléu delirante…
…   …   …   …   …   …   …

Tapeçaria negra,
Labor negro,
Negro e pão …
Rebotalhos de gangrena
Em exposição!
Montureiras d’ansiedade
E d’ilusões
A cinco tostões!

…   …   …   …   …   …   …
E o pucarinho lá vai
Na onda da romaria …
Leva dentro a fantasia
Duma esp’rança em embrião …

…   …   …   …   …   …   …
Ah, pucarinho da vida,
Pucarinho da ilusão!

…   …   …   …   …   …   …
E a feira vai acabando,
Nem foguetes, nem batuque,
Nem já romeiros cantando …
Foram-se os sonhos dormindo
E na esteira dos farrapos
Nem uma manta de trapos …
…   …   …   …   …   …   …
Apenas a negridão
Dos cacos negros no chão! …

Alberto Miranda, Regresso (Vila Real, 1962)

Feira dos Pucarinhos

“Pucarinhos” de Vila Real

Pelo São Pedro, é de costume realizar-se em Vila Real, na província de Trás-os-Montes, uma curiosa «feira», tradicionalmente chamada «feira dos pucarinhos».

Tal feira é uma exposição de trabalhos regionais, não só de olaria, mas também de tecidos de linho; – aparecendo ainda à venda mantas, cobertas de cama, e coisas assim.

Tudo isto proveniente de incansável indústria caseira, que ali, embora rústica, se revela artística na ideação e na execução.

É, porém, de olaria que, embora muito ao de leve, nestas abreviadas notas se falará agora.

Logo pela manhãzinha, na véspera de São Pedro, vão chegando cestos e cestos de louça de barro, pelo ordinário negra, à Rua Central, em frente à capela do nome daquele santo, – que é onde a «feira» se efectua.

Esta louça vem hoje de Bisalhães, povoaçãozita perto de Vila Real, mas dantes o fabrico estendia-se a Lordelo.

Se fores a Bisalhães,
à terra dos paneleiros,
dá por lá uma vista de olhos
à sombra dos castanheiros.

(A.C. Pires de Lima, Cancioneiro Popular de Vila Real, Porto 1928, pág. 208)

(…)
Cláudio Basto, Viana do Castelo, 1923, in Silva Etnográfica, Edições Marânus, Porto, 1939

Se quiser ler o texto na íntegra, clique aqui.

Se quiser receber no seu email os novos artigos publicados, subscreva a nossa Newsletter!

Mantemos os seus dados privados e nunca os partilharemos com terceiros.
Leia a nossa Política de privacidade.