Os Jesuítas ou Companhia de Jesus

Os Jesuítas e a Reforma Católica

Os movimentos de reforma a partir do interior, que assinalam toda a história da Igreja Ocidental, adquirem um novo relevo em consequência do cisma.

Mais uma vez se tenta levar a cabo uma renovação por meio da fundação de ordens religiosas:

– primeiramente a Ordem dos Teatinos (Ordem dos Clérigos Regulares), fundada em 1524 por Caetano de Tiene e pelo bispo Pietro Carafa de Chieti (o futuro papa Paulo IV).

No ano de 1583 são fundadas as comunidades de irmãs teatinas, segundo o mesmo espírito. A ideia dominante desta ordem é a caridade para com o próximo, seja através da assistência aos doentes e presos, seja por uma amistosa orientação em questões de fé.

No entanto, a Igreja precisa de mais para resolver o problema da sua unidade:

– uma rigorosa selecção dos sacerdotes,

– uma ampla formação religiosa

– e a renúncia ao comércio das dispensas.

Estas exigências são sentidas principalmente em relação ao fenómeno de um clero de pouca espiritualidade e ignorante, que além disso está demasiado vinculado ao mundo (ânsia de riqueza, concubinato, etc.).

É de grande importância a fundação da Ordem dos Jesuítas pelo místico espanhol Inácio de Loiola (1491/95?-1556). A ordem cresce, partindo de um círculo de amigos, composto por seis membros (1535), que se conheceram quando estudavam Teologia em Paris (Inácio começou os seus estudos aos trinta e três anos de idade, depois de ter levado uma vida de nobre e cavaleiro).

O “programa” dos Jesuítas

O programa da pequena comunidade desenvolve-se por graus. De início insiste-se particularmente nos votos de pobreza e castidade, enquanto ainda não se impôs o de obediência.  Em 1539, os membros que se encontram em Roma decidem instituir uma regra mais rígida, que é confirmada pelo papa em 1540.

A ordem intervém agora nas disputas da Igreja e erige-se em grupo militante ao serviço da difusão e do fortalecimento da fé sob qualquer forma; por meio de um voto especial, os membros da ordem ficam subordinados ao papa. Os candidatos são cuidadosamente escolhidos, severamente instruídos, e submetidos a vários exames.

As características principais são, por um lado, a ideia de obediência incondicional (por meio da qual a ordem alcança a sua extraordinária unidade de acção, sendo esta a mais aguda reacção contra as tendências desagregadoras da época no interior da Igreja). Enquanto, por outro, se leva a cabo a educação da vontade mediante os Exercícios Espirituais, que a concentram em desígnios bem definidos sem possibilidade de dispersão.

Actividade pedagógica dos Jesuítas

Os Jesuítas empreenderam uma ampla actividade pedagógica, reformando o ensino escolar com todos os meios de que dispunham na época.

O teatro foi especialmente colocado ao serviço da sua acção educativa.

Nasce um novo tipo de arquitectura eclesiástica, cujo primeiro exemplar é a Igreja del Gesù em Roma, que contém já importantes premissas da arte arquitectónica barroca:

– um grande recinto principal que reúne os fiéis diante do altar e do pregador;

– entre os pilares adossados à parede erguem-se os seis altares correspondentes às seis faculdades da escola jesuíta.

A actividade missionária dos Jesuítas

A actividade missionária dos Jesuítas abarca todo o mundo.

Por ocasião da morte do seu fundador, Inácio de Loiola, existem já províncias no Japão e no Brasil. Cinquenta anos depois da sua fundação, a ordem contava com treze mil membros, espalhados pelo mundo.

São Francisco Xavier (1506-1552), co-fundador dos Jesuítas e um dos seus mais importantes missionários, desenvolveu a sua actividade evangelizadora na India, Ceilão, Malaca, Molucas e Japão.

A Companhia de Jesus, introduzida nestes territórios graças a ele, exerceu durante os séculos XVII e XVIII uma grande influência nas culturas locais, dado ter-lhes proporcionado a possibilidade de estabelecer contacto com o pensamento ocidental.

Fonte: História Universal Comparada (vol.VI) | Imagem