Mitos sobre os Cuidados Paliativos – Conheça alguns!

Cuidados Paliativos, o que são?

“A Organização Mundial de Saúde (OMS) define cuidados paliativos como os cuidados que visam melhorar a qualidade de vida dos doentes e suas famílias, que enfrentam problemas decorrentes de uma doença incurável e/ou grave e com prognóstico limitado, através da prevenção e alívio do sofrimento, com recurso à identificação precoce e tratamento rigoroso dos problemas não só físicos, nomeadamente a dor, mas também dos psicológicos, sociais e espirituais.

Estes cuidados proporcionam o alívio da dor e outros sintomas geradores de sofrimento, afirmam a vida e consideram a morte como um processo natural pelo que não a adiantam nem atrasam. Integram as componentes psicológicas e espirituais do cuidar, assim como oferecem um sistema de suporte para ajudar os doentes a viver tão ativamente quanto possível até à morte e para ajudar a família a lidar com a doença do seu ente assim como no seu luto. Utilizam o trabalho de equipa como metodologia mais adequada para a satisfação das necessidades do doente e família, promovendo a melhoria da qualidade de vida e como tal podendo influenciar positivamente a trajetória da doença.” Fonte

Sabias que estes são alguns dos mitos sobre os cuidados paliativos?

Mito: Os Cuidados Paliativos aceleram a morte

Os Cuidados Paliativos não aceleram a morte. Fornecem conforto e qualidade de vida desde o diagnóstico de uma doença avançada e grave até ao fim da vida.

Mito: Os Cuidados Paliativos são apenas para pessoas a morrer de cancro

Os Cuidados Paliativos podem beneficiar doentes, familiares e cuidadores a partir do diagnóstico de qualquer doença que ameace a vida.

Mito: Pessoas em Cuidados Paliativos que deixam de comer morrem de fome

Pessoas com doenças graves não apresentam fome, sede como as pessoas saudáveis. Quando deixam de se alimentar, morrem em decorrência da sua doença, não por fome.

Mito: Os Cuidados Paliativos são apenas prestados nos Hospitais

Os Cuidados Paliativos podem ser prestados onde quer que o doente esteja: na sua casa, instituições de longa permanência ou hospitais.

Mito: Precisamos de proteger as crianças de serem expostas ao processo de morte

Permitir que as crianças conversem sobre morte e o morrer ajuda-as a desenvolver atitudes saudáveis que podem ser benéficas quando adultas. Assim como os adultos as crianças precisam de tempo para se despedir de pessoas que para elas são importantes.

Mito: A dor faz parte do processo de morte

A dor nem sempre faz parte do processo de morte. Se a dor estiver presente no fim da vida, existem muitas maneiras de ser aliviada.

Mito: Os medicamentos para a dor em Cuidados Paliativos podem levar à dependência

Manter a pessoa confortável frequentemente exige doses maiores de medicamentos para a dor. Isso é o resultado de uma tolerância aos medicamentos, de uma adaptação do corpo e não de dependência.

Mito: A morfina é administrada para acelerar a morte

Doses adequadas de morfina mantém os doentes confortáveis e não aceleram a morte.

Mito: Os Cuidados Paliativos significam que o meu médico desistiu e não há mais Esperança

Os Cuidados Paliativos oferecem melhor qualidade de vida para aqueles diagnosticados com uma doença avançada. A esperança torna-se menos relacionada com a cura e mais em viver da maneira mais plena possível.

Mito: Eu desiludi o meu familiar porque não morreu na sua casa

Às vezes as necessidades do doente excedem aquilo que pode ser oferecido em casa, apesar dos esforços. Garantir que o melhor cuidado seja fornecido independentemente do local, não deve ser considerado um fracasso.

Fonte | Imagem de truthseeker08