Romances tradicionais de Natal portugueses

Romances tradicionais de Natal

A caminho de Belém

Quando São José partiu
e mais a Virgem Maria,
andavam tanto de noite
como p’la força do dia.
Quando chegaram a Belém,
já toda a gente dormia;
viram uma lapa aberta,
entrou a Virgem Maria.
São José foi buscar lume,
porque lume não havia;
quando São José voltou,
já o Menino nascia.
Uma mula o destapava
com a sua ferradura,
mas o boi logo o tapava
com a sua cornadura.
Maldita sejas mula,
e mais essa ferradura,
serás malina p’ra sempre,
não parirás criatura.
Bendito sejas, ó boi,
as terras farás dar pão:
cada trigo dê um cento
e cada cento um milhão.

Romance algarvio (1)

*****

Foi na noite de Natal,
Noite de santa alegria,
Que nasceu o Deus-Menino,
Filho da Virgem Maria.
Era o leite muito doce,
O Menino adormecia.
Enquanto dorme o Menino,
Chorava a Virgem Maria.
– Porque choras, minha Mãe?
Porque choras, ó Mãe minha?
– Choro pelos pecadores
Que perdem a sua alminha.
Não chores, linda Senhora,
Mostra-nos o teu Menino:
Queremos dar-Lhe um presente
Todo feito de oiro fino.
ó meu Menino Jesus,
Deixa ver a tua mão,
Toma lá o oiro fino
Que é o nosso coração.

Atei – Mondim de Basto – Trás-os-Montes e Alto Douro (2)

Jesus, Maria e José

Estando a Virgem Maria
à borda do rio,
lavando os paninhos
do seu bento filho,
a Virgem lavava,
São José estendia,
Menino chorava
com o frio que tinha.
Cale-se o Menino,
cale-se o amor,
isto são navalhas
que cortam sem dor.
A Virgem ao peito
o foi aconchegar,
logo o Deus menino
deixou de chorar.

Romance de Cardigos – Mação (1)

*****

Já tão alta ia a Lua
Como o Sol o meio-dia,
Quando a Rainha dos Anjos
Lá para Belém partia.
Quando Sant’Ana chegou,
‘Staba a Sinhora parida;
Graças a Deus para sempre,
Nem um panalzinho habia.
Sant’Ana tirou o manto
Que na cabeça trazia,
Logo fez três panaizinhos,
Onde o Sinhor imbolbia.
Sant’Ana os panos lababa,
São José os estendia
E o Menino choraba,
Com o frio que sentia.
Chora, chora, meu Menino,
Chora, chora, meu amor:
Os filhos dos ricos
Em bộ trabesseiro
E bós, meu Menino,
Num triste palheiro!

Jorjais-Mouçós-Vila Real – Trás-os-Montes e Alto Douro (2)

Natal - Presépio - Nascimento de Jesus (quadro de M. de Vos - 1592)
O Nascimento de Jesus (Quadro de M. de Vos – 1592) Ilustração Católica – nº 26 – ano 1 – 27 de Dezembro de 1913

Fontes:

(1) “Almanaque” (Grupo de Publicações Periódicas, ed. com.; Magalhães, J. A. de Figueiredo, dir publ.) – Dez. 1960 / Jan. 1961

(2) “Literatura Popular de Trás-os-Montes e Alto Douro” – Romanceiro – I volume