Carne de Borrego – opção para a Páscoa e Natal!

 

Na Páscoa, Portugal tem no borrego um dos seus pratos de eleição, prestando a devida homenagem ao sabor da sua carne, à sua versatilidade gastronómica e aos seus benefícios nutricionais.

Assada, estufada, cozida, grelhada, em sopas, guisados e recheios… Por todo o país, multiplicam-se as várias formas de preparação da carne de borrego, que alia o sabor a uma versatilidade gastronómica apelativa e a uma grande riqueza nutritiva.

Em Portugal…

Muito tenra e saborosa, existem, por tradição, duas épocas para um maior consumo desta carne em Portugal: a Páscoa e o Natal. Estamos no mês [Abril de 2019] em que se comemora a quadra pascal, e o borrego vai chegar às mesas portuguesas, sobretudo na versão assada, acompanhada por batatinhas e arroz feito com os miúdos. Uma verdadeira festa para o paladar, particularmente para os paladares mais exigentes!

Mas não se pense que o receituário nacional no que diz respeito ao borrego em tempo de Páscoa se reduz ao forno. Nada disso.

Podemos facilmente constatar que esta época é bastante fértil em receitas de borrego, que variam de região para região, consoante os costumes e tradições locais. Assim, encontramos os mais diversos pratos, como o borrego estufado com ervilhas, o ensopado de borrego, jardineira de borrego, o carré de borrego e até as simples costeletas de borrego grelhadas. A escolha é variada, e apenas importa o que cada um gosta mais.

Na Europa…

E a tradição repete-se pela Europa fora, com o borrego assado com batatas, em Espanha, o borrego ao molho de vinho com polenta e o tagliatelle com molho de bolonhesa de borrego, em Itália, ou ainda a perna de borrego com batatas, em França, e o farikal, prato típico da culinária da Noruega, que consiste num cozido desta carne e repolho.

Benefícios da carne de borrego…

A carne de borrego e mais magra face a outras carnes vermelhas, e é uma ótima fonte de vitamina B12, que quando está em falta no organismo pode causar cansaço, fadiga e problemas na função psicológica. É também rica em zinco, essencial para a formação de algumas hormonas e para o metabolismo de diversos nutrientes.

Além disso, contribui para a beleza do cabelo, unhas e pele. Ao optar por esta carne, está ainda a contribuir para o aporte de diversas vitaminas e minerais, já que é fonte de riboflavina e rica em niacina, vitamina B6 e fósforo.

Sugestões para cozinhar!

Dado que é um tipo de carne com um sabor muito intenso, é aconselhável colocá-la numa marinada durante oito a dez horas.

Para a carne ficar mais tostada, regue-a com vinho durante a assadura.

Pode acrescentar ao tempero do borrego um copo de aguardente. Com isso, estará a dar-lhe um toque especial.

Os miúdos do borrego são utilizados para a preparação de um delicioso arroz.

Caso não aprecie o sabor intenso desta carne, no final do seu estufado adicione uma colher de mel, pois este retira-lhe o sabor intenso tão característico.

[themoneytizer id=”18933-19″]

 

 

Conheça as sugestões dos especialistas sobre…

… como escolher

Ao comprar borrego deve ter em conta:

– A carne deve ser firme, com textura firme e de cor rosada, sem viscosidade ou cheiro estranho.

– Qualquer gordura que apresente deve ser branca, nunca amarelada.

– A pele não deve ter marcas de queimaduras de frio, aspeto seco, pelos, pisaduras ou outras escoriações.

 – Ao borrego é aconselhável retirar os gânglios linfáticos, mais conhecidos por bedum, principalmente na perna, dado que dá um sabor desagradável à carne.

… como conservar

A carne de borrego, por ser muito perecível, deve ser mantida a uma temperatura constante de 2ºC. Aconselha-se o transporte em sacos isotérmicos, para evitar oscilações de temperatura. Ao comprar este produto, deverá conservá-lo no frigorífico, de preferência na embalagem original, pois assim terá sempre a noção exata da sua data de validade.

Ao congelar, a carne deve estar limpa, dividida, embalada, fracionada e identificada para utilização culinária. O período de congelação não deve ultrapassar os três meses. A descongelação deve ser efetuada um dia antes de ser usada, na última prateleira do frigorífico, minimizando, assim, a proliferação microbiana.

… como consumir

A forma mais tradicional de consumir esta carne é em assados, acompanhados por batata. É também bastante apreciada em estufados, ensopados e guisados, temperada com ervas aromáticas intensas, como o tomilho, rosmaninho e alecrim.

Fonte: Continente Magazine | Imagem retirada da net

[themoneytizer id=”18933-16″]