Produções artesanais do concelho da Póvoa de Varzim

Camisolas Poveiras

Produções artesanais do concelho da Póvoa de Varzim

De lã branca, bordadas em ponto de cruz com motivos em preto e vermelho (o escudo real, as silvas, as siglas, os remos cruzados, as grinaldas, os apetrechos marítimos), as camisolas poveiras foram, inicialmente, bordadas por homens – os velhos «Lobos do Mar» – retirados da faina, que esculpiam na lã toda a simbologia da sua vida.

Foi com a criação do Grupo Folclórico Poveiro, em 1936, pelo etnógrafo António dos Santos Graça, que se assistiu ao renascimento do traje branco (de romaria e festa), onde a camisola poveira tem posição de relevo, e se iniciou a divulgação no exterior da colmeia piscatória local desta peça de extrema beleza – feliz expressão de mundividência poveira a quantos nos visitam, nacionais e estrangeiros.

Tapetes de Beiriz

Produções artesanais do concelho da Póvoa de Varzim

De grande prestígio internacional, ocupando lugar de relevo na indústria artística, os Tapetes de Beiriz foram justamente premiados nas melhores exposições, em Portugal e no estrangeiro.

Criados pelo engenho e sensibilidade artística de D. Hilda Brandão Rodrigues Miranda, que em 1919 fundou uma fábrica, em Beiriz, para a sua confeção, estes tapetes caracterizam-se pela sua exuberante variedade decorativa.

A Fábrica dos Tapetes de Beiriz fecharia em 1974, devido aos problemas laborais da época, reabrindo em 1988, com nova administração e novas técnicas de fabrico; evitou-se, assim, o desaparecimento de uma das mais características manifestações artesanais da Póvoa e do país.

Artesanato em Trapo (Farrapo)

Produções artesanais do concelho da Póvoa de Varzim

Atividade de grande tradição na freguesia de Terroso, de onde se expandiu para freguesias vizinhas (Laundos, Rates, Beiriz, Aver-o-Mar)

Ocupa largas centenas de pessoas exclusivamente do sexo feminino, que entregam a sua produção a empresas de comercialização direcionadas sobretudo para o mercado externo.

De grande variedade cromática, para que muito contribuiu a técnica dos «puxados», estes artefactos de trapo (mantas, tapetes, passadeiras, utilidades diversas) são confecionadas em teares de madeira.

Trabalhos em Linho

Produções artesanais do concelho da Póvoa de Varzim

É em Rates que a cultura do linho permanece viva – não com a dimensão de outrora (longe disso!), mas com os ancestrais processos de transformação.

Adaptando-se a novas solicitações culturais, e criando-as, as artes tradicionais do linho (no tecido, no bordado, na confeção) procuram o futuro associado ao seu carácter útil e decorativo.

As artesãs estão organizadas num Centro de Artesanato, onde se produz e comercializa colchas, toalhas, vestuário e utilidades domésticas – tudo em linho, fibra nobre que mantém a frescura da sua experiência milenar.

Artesanato em Ouro e Prata

Produções artesanais do concelho da Póvoa de Varzim

Atividade de profundas tradições locais, tanto na sede do concelho como nas freguesias de Beiriz e Terroso (onde várias famílias de «prateiros» trabalham para as melhores ourivesarias do país), o trabalho artesanal em prata e ouro é, hoje, privilégio das casas de tradição do sector, não existindo, portanto, em muitas das Ourivesarias da cidade.

Merece, por isso, ser admirado nas montras, mas recompensa principescamente quem o adquire e usa.

Miniaturas de Embarcações

Produções artesanais do concelho da Póvoa de Varzim

Artesanato de paciência, produto da saudade… dos pescadores que, retirados da faina, ocupam o tempo exercitando a memória na reprodução miniatural de embarcações com que venceram o mar e ganharam o magro pão de cada dia.

A Lancha Poveira, o Sardinheiro, o Salva-Vidas, o Rasqueiro, a Catraia, a Caravela são algumas das embarcações que, entre dois olhares para o horizonte azul do mar, as mãos cansadas dos velhos pescadores confecionam.

Fonte: Folheto turístico (Póvoa do Varzim – Costa Verde – Portugal)