Jericó – a cidade mais antiga do mundo

A cidade de Jericó

A torre de Jericó, que dominava há dez mil anos o vale do Jordão, foi sepultada pelo tempo sob uma amálgama de terra e de pedras. Os arqueólogos encontraram-na adossada aos vestígios das muralhas que defendiam a cidade à qual pertencia.

As escavações levadas a cabo nas vésperas da Primeira Guerra Mundial no sítio de Jericó permitiram chegar a vinte metros dos vestígios do que foi o mais antigo estabelecimento humano que se conhece e que remonta à primeira metade do VIII milénio.

A famosa torre e as muralhas nas quais se apoiava, elevam-se acima do primeiro estabelecimento, simples aldeia de casas circulares. Datando de finais do VIII milénio, ela pertence a uma aglomeração que se convertera, a partir de então, numa grande povoação, talvez mesmo numa verdadeira cidade suficientemente rica para temer os assaltos exteriores e se prevenir contra eles.

O sítio é abandonado no decurso do VI milénio a. C., sem que consigamos saber a causa.

Mais tarde, no III milénio, Jericó ressuscita. O precioso mobiliário acumulado nos túmulos são testemunha da sua fortuna renovada. As novas muralhas construídas nessa época em breve serão destruídas pelos ataques das tribos nómadas que continuam a visitar o vale.

Jericó reconstrói-as: resistem até ao dia em que os Hebreus, a caminho da «Terra Prometida» – a Palestina -, se apoderam da cidade.

A primeira construção em pedra

A torre de Jericó, tal como foi retirada do fundo da escavação, constitui o único vestígio ainda de pé dos vários milénios ao longo dos quais os homens do Próximo Oriente aprenderam a viver como sedentários.

Com 8,50 metros de altura, 13 metros de largura na base e 10 metros no cimo, ela apoia-se numa muralha com 1,65 metros de espessura e que atinge ainda hoje os quatro metros de altura. Uma e outra são feitas de pedras achatadas grosseiramente talhadas e unidas sem argamassa.

Vinte e dois degraus feitos de um bloco único, com 0,75 metros de largura, conduzem, no interior da torre, à plataforma superior de onde os habitantes de Jericó espiavam verdadeiramente os perigos no horizonte.

Quantos habitantes – os primeiros sedentários – teria?

Segundo os maiores especialistas, não mais de 3000. Para protegerem a sua torre, eles completaram a cintura de muralhas com um enorme fosso de oito metros de largura e três metros de profundidade.

Este gigantesco aparelho de defesa, do qual hoje apenas restam alguns vestígios, é testemunha do temor que, ao longo dos tempos, os cidadãos sentiram pela cobiça dos nómadas. E permite imaginar a importância das riquezas acumuladas no interior das muralhas.

A torre de Jericó
A torre de Jericó, encontrada a vários metros de profundidade, data de finais do VIII milénio. Provavelmente serviria de ponto de vigia aos habitantes da cidade preocupados em se protegerem de eventuais agressores.

Se quiser receber no seu email os novos artigos publicados, subscreva a nossa Newsletter!

Mantemos os seus dados privados e nunca os partilharemos com terceiros.
Leia a nossa Política de privacidade.