Muita atenção: as «ervas» também matam!

As «ervas» também matam

Há que cuidado com as plantas venenosas, algumas delas semelhantes às comestíveis e convivendo lado a lado com estas.

Note-se que o mesmo se passa com os cogumelos e há que aprender a distinguir as espécies e em caso de dúvida o melhor é não arriscar.

Veja-se o exemplo do embude, abodil, rabaçol ou prego-do-diabo (Oenanthe crocata), umbelífera vivaz, alta, de aroma intenso e de raízes tuberosas, inserida nas mesmas linhas de água onde se encontram os agriões e as rabaças.

Essas raízes eram utilizadas para pescarias ilegais.

E o mesmo se fazia com raízes do trovisco (Daphene gnidium), outra espécie venenosa que é um arbusto dos nossos matagais de baguinhas escarlates também venenosas.

E cuidado com as tais bagas de cores e aromas atrativos que diversas espécies vegetais nos apresentam!

Muitas delas são tóxicas e venenosas para nós humanos, mesmo sendo uma dieta habitual de certas aves ou outros animais que as consomem na útil missão de dispersar as plantas.

É que nestes casos as aves têm antídotos naturais para esses venenos.

Plantas venenosas

Arando negro

Azereiro-do-danados ou pado-do-alvão

Espargos (frutos/bagas)

Gaultéria

Gilbardeira ou erva-dos-vasculhos

Lambrusco ou videira silvestre

Maçã-do-pastor ou uva-de-ossos

Maónia

Marmeleiro-japonês

Videira-americana

Vinha-virgem

Plantas não comestíveis

Aderno ou sanguinho

Alfeneiro ou lingustro

Amieiro-negro, sanguinheiro ou zangarinho

Azereiro

Azevinho (bagas)

Barbadeijo, lantana, cambará ou rositas

Bolas-de-neve ou mundilhos

Cambroneto, uva-cabrunha ou espinheiro

Campainhas-de naio ou lírios-de-maio

Corniso ou sanguinho

Ébulo, engos, erva-de-S. Cristóvão ou sabugueirinho

Folhado

Heras

Louro-cerejo ou louro-real

Madressilvas

Mandrágora

Nesperilhos

Norça-preta, baganha ou arrebenta-boi

Piracanta

Sabugo de fruto escarlate

Salsaparrilha, alegra-campo ou recama

Uva-de-raposa ou uva-zorra

Visco-branco ou visqueiro

Plantas muito venenosas

Briónia, erva-cobra, nabo-do-diabo ou norça-branca (1)

Doce-amarga, uva-de-cão, mata-galinhas, vinha da judeia ou erva-moura-de-trepa

Erva-moira

Evónio ou barrete-de-padre

Jarro-maculado, jarroca, primaveras ou serpentinas

Poligonato, selo-de-Salomão ou lágrimas de David

Teixo

Tomatinhos-do-diabo

Plantas mortais

Beladona, beladama ou erva-moura-furiosa

Embude, rabaçal ou prego-do-diabo

Trovisco, olivereta ou macerão

Nota muito importante

(1) Sobre esta planta, recomenda-se o máximo cuidado na sua utilização, dadas as possíveis confusões de sinonímias e o próprio interesse culinário, e o melhor será mesmo exclui-la das nossas cozinhas.

Fonte: “Etnobotânica – Plantas bravias, comestíveis, condimentares e medicinais“, José Alves Ribeiro, António Monteiro e Maria de Lurdes Fonseca da Silva (texto editado e adaptado) | Imagem